quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Eduardo White 4

Levanto-me. 
Vou supor-me a resistir. Lentamente até fugir.
Descubro corridas as cortinas das janelas deste quarto virado para Oriente. Afasto-as, e os olhos navegam pelos telhados das casas lá em baixo. São inúmeras e quadradas. Unidas como se quisessem cuidados umas das outras. Talvez por dentro nem transpirem assim tanta solidariedade. Mas eu penso nas presenças que as tornam vivas e humanas, nas conversas que esconderão, nas crianças debruçadas para o beijo ou para a música, as refeições acesas pelos fogões. Afinal, hoje é domingo e toda a gente é um horizonte de si. Estão felizes com certeza, e se não estão tentam, por decerto terem pouco do que rir noutros dias. O domingo é quase tétrico de nos vermos tão nitidamente. É, no fundo, como a morte onde se prevê aquele poeta.

"Janela para Oriente", Eduardo White

(Eduardo White nasceu no dia 21 de Novembro de 1963. Morreu em 2014.)

Sem comentários:

Publicar um comentário