sábado, 30 de novembro de 2019

Microcontos & outras miudezas 183

O homem que sabia de codornizes
José Mário Branco. Conta a jornalista Catarina Carvalho, do DN, que José Mário Branco lhe disse uma vez, durante a produção de um disco para uma fadista famosa, que aquilo era trabalho de rigor, de filigrana. "É chupar os ossinhos da codorniz", explicava o mestre.
Fiquei contente. José Mário Branco sabia de quase tudo e, tomem lá, até sabia de codornizes. E eu não sei de nada, mas desunho-me satisfatoriamente com as codornizes. A minha platónica relação com José Mário Branco era de admiração e reverência. Sobretudo respeito: silêncio, que se vai ouvir José Mário Branco. A partir de hoje a nossa relação é de camaradagem, acho que tenho esse direito. Que ninguém separe o que a codorniz uniu. E era mais duas bifanas e dois fininhos, se faxavor!

P.S. - No mesmo DN escreve-se sobre "tetos" para os sem-abrigo em Lisboa. Tetos, pois. Quando forem horas de mamar, chamem-me.

Ele há dias
Há dias que são noites.

O Zarco do Castelo do Queijo
João Gonçalves Zarco, da nobre família dos Zarcos de Valdevez, foi um navegador português e cavaleiro fidalgo da Casa do Infante D. Henrique, que o encarregou de organizar o povoamento e administrar a zona funchalense da Ilha da Madeira enquanto Alberto João Jardim não chegasse. Dito e feito. Quando se reformou, o velho Zarco, que não era tolo e tinha agasalhado uns cobres, abriu uma escola em Matosinhos mas escolheu a Foz, no Porto, para morar, instalando-se desafogadamente na famosa Rotunda do Castelo do Queijo, a que também chamam Praça de Gonçalves Zarco exactamente em homenagem à estátua equestre de D. João VI.

Nem sempre carne ou peixe
Como diz a minha sogra. "Nem sempre carne ou peixe. De vez em quando também é preciso comer um bocadinho de bacalhau." 

Marx, o da harpa
Depois de ter inventado o comunismo, Marx fez comédia em Hollywood, cantou "A mula da cooperativa", foi candidato à Presidência da República e abriu um restaurante em Fafe. Actualmente diz piadas na rádio e joga a defesa direito no FC Porto.

P.S. - Publicado originalmente no dia 2 de Março de 2014. O comediante Harpo Marx, que se chamava de baptismo Adolph Arthur Marx, nasceu no dia 23 de Novembro de 1888. Não era mudo, mas em cena só comunicava por gestos, buzinas e assobios. E tocava muito bem harpa. Exactamente: Harpo, o da harpa.

Sem comentários:

Publicar um comentário