quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Microcontos & outras miudezas 45

Morrer cedo, sim, mas o mais tarde possível
Que havia de morrer cedo - dizia, angustiado, desde que fizera 25 anos. E estava coberto de razão: faleceu aos cento e dois, eram cinco da manhã.

Banda (a poesia é uma coisa muito bonita)
Banda
do casaco,
banda gástrica, banda magnética,
banda desenhada, banda do cidadão, banda cromática,
banda larga, onda curta, Banda Miranda, The Band,
banda sonora, Banda Musical de Trajeitos de Baixo

cara à banda, a Outra Banda, pôr de banda,
vai àquela banda

embandeirar em arco, abandonar o barco

bandeira, bandarra,
bandarilha, bandeja,
bandolete, bandó, bandado,
bandeirada, bandeirante, bandeirinha,
bandeirola

bando, bandolim,
bandido, bandoleiro,
bandalheira, debandada

bandulho

a banda abunda,
abana a bunda. 

Quem está de fora racha canhotos
Deixemo-nos de tretas: o lugar do árbitro assistente é, por definição, na bancada...

Paronimando
Ó Elvis, ó Elvis, Bijagós à vista...

Homofonando
Perca à posta. Perca a posta. Perca aposta... 
 
Galheta
- Bufardo ou banano?
- Carquilho, mas devagar...

Desculpas e pedidos de desculpas
As desculpas não se apresentam. Apresentam-se pedidos de desculpas. Isto é: pede-se desculpa.
Apresentar desculpas é outra coisa: é, por exemplo, arranjar subterfúgios para a asneira...

E cá vamos morrendo, graças a Deus
Ninguém diga que está livre. Mas. Em Portugal não precisamos do terrorismo alheio para nos refodermos com assinável pertinácia: temos os incêndios, temos árvores carunchosas, temos andores idiotas e temos a Autoridade Nacional de Protecção Civil. E cá vamos morrendo, graças a Deus, que também não somos menos do que os estrangeiros.

P.S. - Temos também, evidentemente, as selfies com o Presidente da República.  

Sem comentários:

Publicar um comentário