quarta-feira, 24 de maio de 2017

José Terra

Este poema respira

Este poema respira. Em seus flancos
circula o sangue por artérias novas.
Rasgo-lhe a boca e beijo-o. Dou-lhe os olhos
selvagens e esta inocência que é

a sua vida eterna. Entre os salgueiros
esconde o corpo e o sexo recentes.
Há um cheiro a resina, um cheiro vivo
a sémen, sangue, suor, a flor carnívora.

Este poema é macho. Olhai seus músculos
retesos, suas ancas, seus artelhos,
seu sexo erecto, seu púbis, seus mamilos.

A primeira seta do sol fere-lhe os olhos.
Vede-o agora de rosto entre as mãos limpando
a sujidade materna com o seu pranto.

"Canto Submerso", José Terra

(José Fernandes da Silva, que usava o pseudónimo de José Terra, nasceu no dia 24 de Maio de 1928. Morreu em 2014.)

Sem comentários:

Publicar um comentário