quarta-feira, 24 de maio de 2017

Afrânio Zuccolotto

Romance naturalista

Alguém matou Leonor
a meiga flor
que morrer não devia.

Quem foi logo se soube
logo se soube
no mesmo dia.

Matou-a um belo moço
um belo moço
que tinha pai.

E desse pai por causa
o moço belo
para a prisão não vai.

Que ele não é culpado
não é culpado
é o que se diz.

Grande culpado é o pai
somente o pai
do rapaz, infeliz.

Tal pai nunca lhe dera
nunca lhe dera
exemplo e educação.

Pela trilha do bem
não o levara
em nenhuma ocasião.

O crime foi do pai
foi só do pai
de quem o filho é obra.

E o mundo isenta o filho
de toda a culpa
e o pai exprobra.

Mas vem quem diz que o velho
o pobre velho
não será o responsável.

Sim, ele por sua vez
um pai tivera
muito pouco elogiável.

Então culpa-se o avô
que por seu turno
era filho de alguém.

Era filho de um pai
que fora filho
de pai-filho também.

E assim sempre subindo
de filho a pai
chega-se à conclusão:

O culpado da morte
da meiga flor
teria sido... Adão.

Afrânio Zuccolotto

(Afrânio Zuccolotto nasceu no dia 24 de Maio de 1913. Morreu em 1997.)

Sem comentários:

Publicar um comentário