quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Eugénio de Andrade não merecia

A Fundação Eugénio de Andrade, no Porto, foi extinta. Fechou, em Setembro, por falta de apoios e de dinheiro, e já não vai a tempo de emigrar para a Holanda, como o Pingo Doce, ou fugir para o Brasil, como a Leya, em busca de uma cidade e de um país que a mereça. Creio que a questão que nos deve fazer pensar é exactamente esta e não outra: a Fundação Eugénio de Andrade, no Porto que salvou o Coliseu, teve que fechar portas, apenas seis anos após a morte do poeta; como foi isto possível, nas nossas barbas?
Fala-se de despejos, de intrigas, de mentiras e conveniências mais ou menos declaradas, atiram-se culpas de ida e volta, há conferências de imprensa e ameaças com tribunal. Recuso-me a nomear esta gente, não me interessa quem é quem em cada lado da barricada ou barricadas - autarquia, ex-directores da fundação ou herdeiros de Eugénio de Andrade. Pergunto: em nome de quê ou de quem foram levantadas as barricadas que deram nisto, nesta barracada? Como pode esta gente, agindo de formas tão diferentes e contrárias, dizer toda que está a respeitar "a vontade do escritor"?
O espólio de Eugénio de Andrade pertence, por testamento, à cidade do Porto e está à guarda da Câmara Municipal. Os ex-directores defenderam ontem que o melhor destino a dar ao imóvel que durante 19 anos acolheu a fundação seria criar uma casa-museu dedicada ao poeta, uma Casa da Poesia.
Confesso que, de momento, o futuro do legado físico de Eugénio de Andrade é o que menos me inquieta. O espólio é certamente importante, vale dinheiro, e portanto alguém lhe há-de dar rumo e uso, mal nos desprecatemos. E a casa, palavra de honra que não acredito que a insensibilidade cultural de Rui Rio chegue ao cúmulo de ele não arranjar uma solução que a ligue de modo efectivo e digno ao grande poeta, logo que a poeira assente.
O que me incomoda, de momento, é o circo desnecessário e maldizente montado à volta e em nome do nome e da memória-memória de Eugénio de Andrade. Ele não merecia isto. E merecia mais de nós todos que não fizemos nada.

Sem comentários:

Publicar um comentário