terça-feira, 25 de setembro de 2018

Moelas de coelho, o petisco e o risco

A verdade é só uma: as moelas de coelho têm cada vez mais procura aqui no Tarrenego! No sentido de esclarecer e orientar estudiosos interessados, simples curiosos, ou gastrónomos em geral, segue-se uma despretensiosa súmula dos artigos científicos que ao longo dos últimos anos fomos produzindo a propósito de matéria tão penetrantemente seminal (ou tão seminalmente penetrante):

A minha receita de tomates aux gésiers de lapin
Livre de gorduras e lave em duas águas, uma pode ser das Pedras, as moelas de coelho. Meta as moelas de coelho numa marinada feita com sumo de pepino nacional, vinagre balsâmico, azeite de trufa, mel de rosmaninho, gengibre, flor de anis, flor de sal, flor-de-lis, flor-de-lótus e flor-de-ferrari. Deixe a repousar esta marinada dentro de uma embalagem para ovos de codorniz enquanto o ministro da Finanças conta até dez, que é aproximadamente durante duas horas e um quarto. Os ovos de codorniz deviam ter sido tirados antes, agora desfaça-se ao menos das cascas. Lave muito bem os tomates, corte um chapeuzinho numa das extremidades e limpe-os de todas as sementes e nervuras internas. Introduza as moelas de coelho nos tomates, misturando-as com uns pozinhos de queijo com o nome mais arrevesado que encontrar no supermercado. Pegue nos tomates e coloque o chapeuzinho, que vai adornar, de lado, com um pequeno cartão a dizer PRESS. Leve os tomates ao forno durante 180 minutos a 15 graus. Excelente. Está pronto. Retire do forno e deite ao lixo. Aqueça a feijoada que sobrou de ontem, encha o prato até à borda e... seja feliz!

Ainda as moelas de coelho
Claro que os coelhos não têm moelas. Claro que não há moelas de coelho. Devo informar, no entanto, que há um sítio em Fafe onde as arranjam muito bem.

Na cozinha em cuecas
O senhor da fibra óptica tocou-me ontem à porta, eram para aí 18h15. Não abri, mas disse-lhe pelo buraco da fechadura que não o podia atender. A verdade é esta: eu estava em cuecas e de avental a cozinhar umas moelas por acaso de coelho, as quais, não é para me gabar, até me saíram uma especialidade, e um homem em cuecas e de avental não é homem que se apresente ao senhor da fibra óptica, a não ser que o senhor da fibra óptica também se apresente em cuecas e de avental.
Irritam-me solenemente as visitas e os telefonemas de todos os vendedores de fibra da cobra, que são mais que as mães e andam todos ao mesmo, e a minha vontade é mandá-los à merda. Mas olho por mim abaixo, ponho-me no lugar deles e resolvo respeitar quem trabalha. Lá abro a porta ou atendo a chamada e... é um erro. São abusadores estes tipos: se mostramos simpatia, começam logo a fazer perguntas atrás de perguntas a que acham que nós temos obrigação de responder, e eu, que afinal não estou para os aturar, respondo-lhes torto, fecho-lhes a porta com um "com licença" ou desligo o telefone com outro "com licença". E depois arrependo-me da malcriadez, fico cheio de remorsos.
Portanto fiz muito bem em não ter aberto a porta, ontem, ao senhor da fibra óptica. Ainda por cima, estou muito bem servido de fibra óptica e as moelas de coelho, para ficarem em condições, devem ser cozinhadas sempre em cuecas.

O sucesso das moelas de coelho
O Dr. Google continua a remeter-me centenas de consulentes que me perguntam se "o coelho tem moela" ou se "há moelas de coelho". Ó galinácea ignorância! Mas é claro que o coelho não tem moela, é claríssimo que não há moelas de coelho, nem de coelha, quantas vezes mais tenho de dizer? Esclareço, no entanto, que quem as cozinha muito bem, às moelas de coelho, é o meu querido amigo Peixoto, em Fafe.

Já não há moelas de coelho
Embora notoriamente os coelhos não tenham moelas, ninguém cozinhava tão bem as moelas de coelho como o meu amigo Peixoto. Fui lá ontem, de fugida, para lhe dar um abraço e duas de letra, mas Peixoto de grilo. O malandro passou o negócio e não me avisou, ninguém me avisou. E devia ter saído em edital camarário, com voto de louvor e medalha: afinal, o Peixoto era uma instituição. Foda-se! Aos poucos vão-se-me acabando os motivos para tornar a Fafe... 

Ovos de Páscoa
Os ovos de Páscoa são de coelha, evidentemente.


Notas: "A minha receita de tomates aux gésiers de lapin" - 9 de Setembro de 2011, era então ministro das Finanças o morte-lenta Vítor Gaspar. "Ainda as moelas de coelho" - 20 de Setembro de 2011. "Na cozinha em cuecas" - 20 de Outubro de 2011. "O sucesso das moelas de coelho" - 14 de Março de 2014. "Já não há moelas de coelho" - 23 de Fevereiro de 2017. "Ovos de Páscoa" - 28 de Março de 2018.
Moedas: peço desculpa, não tenho trocado.

Sem comentários:

Publicar um comentário