sábado, 19 de novembro de 2016

Maximiano Campos

Sem lei nem rei

Sem lei nem rei, me vi arremessado
Bem menino, a um planalto pedregoso
Cambaleando, cego, ao sol do acaso
Vi o mundo surgir, tigre maldoso
O cantar do sertão, rifle apontado,
Vinha malhar seu corpo furioso
Era o canto demente, sufocado,
Surgido nos caminhos sem repouso
E veio o sonho: e foi despedaçado!
E veio o sangue: o marco iluminado
A luta extraviada e a minha grei!
Tudo apontava o Sol! fiquei embaixo
Na cadeia em que estive
e em que me acho
A sonhar e a cantar
Sem lei nem rei!


Maximiano Campos

(Maximiano Campos nasceu no dia 19 de Novembro de 1941. Morreu em 1998.)

Sem comentários:

Publicar um comentário