quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Carolino, sempre!

O Naninho Carolino, que é solteiro militante e uma jóia de moço, é Carolino por causa da avó, que era a Senhora Carolina, casada com o extraordinário Zé de Castro, o nosso poeta cauteleiro, que uma vez mandou a mulher para o hospital com uma sacholada na cabeça. De resto, o Naninho até se chama Hernâni Ferreira Castro e é um dos heróicos resistentes que vão mantendo viva a Associação Desportiva de Fafe, o seu verdadeiro caso de amor. Lembro-me sempre do Naninho (a soprar pelo canto da boca ao peidinho do penteado) quando a problemática é arroz. Carolino ou agulha, eis a questão, e eu não percebo onde é que está a dúvida.
Tomem nota, antes de mais, desta pescadinha de rabo na boca: o arroz carolino é um produto português, nado e criado nos estuários dos rios Sado, Tejo e Mondego, e Portugal é auto-suficiente na produção de arroz carolino. Já o arroz agulha é de origem asiática, quase todo importado. Não vou entrar em contradição com o que já escrevi, não tenho nada contra o que é estrangeiro, sobretudo se for melhor. Mas a verdade é que, se todos comêssemos do nosso arroz, e nós comemos arroz que nem chineses, dávamos um bom empurrão aos produtores nacionais e até podia ser que o preço ao consumidor baixasse.
Mas, patriotismos à parte, o fundamental é que o carolino é o arroz ideal para os pratos tradicionais da cozinha portuguesa. Com uma cozedura a exigir mais acompanhamento, é certo, mas mais cremoso e aveludado na calda final, e absorvendo melhor os condimentos e os paladares dos outros ingredientes, o carolino é a base indispensável para os nossos mais deliciosos arrozes, os malandros: do arroz de polvo ao arroz de tomate, do arroz de marisco ao arroz de bacalhau, do arroz de feijão ao arroz de peixe, do arroz de grelos ao arroz de cabidela, do etc. ao etc.
Quanto ao agulha, é absolutamente recomendado para quem não sabe cozinhar (por exemplo, os novíssimos chefs do arroz de atum, de lata, que lata!) ou, como agora se diz, para quem não tem tempo para estar na cozinha, que é a mesma coisa.
Portanto: carolino, sempre! E um abraço para o Naninho.

3 comentários:

  1. Caro Hernâni Von Doellinger
    (Ups, escrevi direitinho), estou a ficar esperto.
    Aos poucos, vou sabendo mais sobre a sua pessoa...!
    Vê-se que, ama a Terra que o viu nascer e os seus conterrâneos. Vejo por aqui também, que o meu amigo sabe e muito, de cozinha, (cá em casa também usamos o dito carolino para tudo; para tudo não, diz-me aqui a minha "governanta" que o tal arroz pontiagudo, acompanha melhor o cabritinho. E se ela o diz...
    Mas tem mais, contou-me um passarinho há algum tempo atrás, que o cidadão Hernâni Von Doellinger é um dos grandes jornalistas desta cidade.
    Ao que sei, os passarinhos não mentem, sendo assim, desejo-lhe muito boa noite, caro Hernâni Von Jornalista.
    Gaspar de Jesus

    ResponderEliminar
  2. Tem toda a razão a esposa de V. Ex.ª. O arroz agulha faz um melhor arroz seco, sobretudo se for ao forno.
    Grande abraço para o meu amigo,
    h.

    ResponderEliminar