quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Plínio Ramos Coelho

Foi o boto

Cabelos negros, lábios de pitanga
Ali no porto, busto desvestido...
Perto, apenas um boto emerge... A tanga
Cai, desvendando um triângulo incendiado.

E a cunhã nada, imita o boto, manga
Em mergulhos seguidos e este atraído
Aproxima-se e funga e mostra zanga,
Afastando-se como se fugido.

E sai dágua a cunhã com relutância...
No alvor, afugentada a escuridão
O mesmo banho e um rastro de fragrância...

Um dia, em vez do boto um rapagão
A cunhã encontrou e com tanta ânsia
Entregou-se em atroz fornicação!

Plínio Ramos Coelho

(Plínio Ramos Coelho nasceu no dia 21 de Fevereiro de 1920. Morreu em 2001.)

Sem comentários:

Publicar um comentário