terça-feira, 28 de novembro de 2017

Microcontos & outras miudezas 58

A ordem natural das coisas 
A Esperança foi a primeira a morrer. Era a mais velha...

E contigo também 
Prazeres entrou para o convento e nunca mais houve sossego...

Les bourgeois
Mercedes tinha um defeito, aquela pose de nova-rica... 

Come tudo, tudo, tudo
Sebastião foi finalmente condenado por violência doméstica... 

Enganadores...
Desempregado há seis anos, leu o título do jornal Público: "Portugal já recuperou o emprego perdido durante a troika". No dia seguinte apresentou-se ao serviço...

Crimes de peso
Era um contumaz praticante de crimes de peso. Até que foi apanhado. Os fiscais apreenderam-lhe a balança e o tribunal aplicou-lhe um coima de mil euros.

O senão do Aristeu
- Ó mor, posso chamar-te Arismeu?...

O Texas
O Texas era um tasco em Fafe. Chamava-se também Quiterinha, derivado ao nome da dona, senhora respeitável, ou Pensão Império, nunca soube derivado a quê. Estão a ver a Rua Monsenhor Vieira de Castro, quem vai para o Picotalho, do lado do Cinema, depois da padaria e encostado ao Noré, mesmo em frente à cabine, antes de chegar às Grilas e ainda mais às Turicas? O Texas era exactamente aí, previamente a ter-se instalado de armas e bagagens no mapa dos Estados Unidos da América, segundo vi depois nos filmes a cores. O Texas, o nosso Texas, o verdadeiro Texas, era a preto e branco e tinha, após o balcão, um reservado com vista para a cozinha e para os campos do Santo, onde hoje se ergue o cimento do Pavilhão Municipal. Foi no nosso Texas, na sala da frente, que eu vi na televisão os jogos de Portugal no Mundial de 1966. Ao Texas fui com o meu pai, no Texas confraternizei com os músicos antigos da Banda de Revelhe, que tinha casa de ensaio ali a dois (com)passos, coisa tão a calhar, com o querido Senhor Ferreira do Hospital ou com o Queirós, meu camarada bissexto na fábrica e provavelmente o melhor tintureiro do mundo, desse-se o caso extraordinário de ele aparecer ao trabalho...
Vamos dizer, então, que o Texas, o nosso, era uma casa de pasto - sem ofensa para todos os verdadeiros americanos do faroeste, incluindo gado cavalar e vacum. As portas do Texas eram verdes, mas não eram de saloon. Cobóis, apareciam alguns, sobretudo às quartas-feiras, porém não me lembro de tiros. Naquele tempo em Fafe, terra de paz e amor, matava-se mais à sacholada. Borracheiras havia-as, e eram acontecimento de alta patente, é preciso que se note. Não tínhamos xerife, mas tínhamos o Chester, tínhamos o regedor de pistolete à cinta e tínhamos o Miguel Cantoneiro, que, para todos os efeitos, também era autoridade. Às vezes, quando não era precisa, também tínhamos polícia...
Em todo o caso: no Texas, no nosso Texas, um palerma do calibre de Donald Trump nunca seria escolhido sequer para fazer a escrita da sueca...

Sem comentários:

Publicar um comentário