sábado, 22 de outubro de 2016

Abílio Barreto

Cai a chuva impertinente.
Que tristeza existe em tudo!
Na rua anda toda gente
De capa ou de sobretudo. 

É assim que, na praça em frente,
No seu manto de veludo,
Formosa moça, impaciente,
Espreita o tempo sisudo...

Vem o bonde. Um banco escolhe.
Lesta e séria as saias colhe,
Com graça quente e superna. 

E, então, no bonde subindo,
Mostra, ingénua, um quadro lindo...
Roliço palmo de perna. 

Abílio Barreto

(Abílio Barreto nasceu no dia 22 de Outubro de 1883. Morreu em 1957.)

Sem comentários:

Publicar um comentário