sábado, 8 de março de 2014

João de Deus

Mal de pés

Certo patrício nosso brasileiro,
Depois de ter corrido o mundo inteiro
Ao voltar de Paris desenganado
Dos médicos, que tinha consultado,
Achou-se num wagon com um inglês,
O desgraçado tinha mal de pés.
E a última palavra da ciência
Era ir vivendo e tendo paciência.

Mostrou-se o
bife incomodado,
Fungando para um e outro lado...
Como quem busca o foco de infecção;
Diz-lhe o nosso infeliz compatriota,
A apontar-lhe com o dedo a bota
E exalando um suspiro de paixão:

- Eis a causa, senhor, eis o motivo!...
O que eu não sei é como ainda vivo!
Tenho gasto rios de dinheiro,
E sempre, sempre, sempre o mesmo cheiro!

E isto por ora vá!... mas alto dia
Quando aperta o calor... Virgem Maria!...
"E diga-me: em lavando os pés refina,
Ou sente algum alívio?"

- "Isso não sei,
Sei que tenho exaurido a medicina;

Mas lavar é que nunca experimentei."

Às vezes dá-se ao médico o dinheiro
Que se devia dar ao aguadeiro.


João de Deus

(João de Deus nasceu no dia 8 de Março de 1830. Morreu em 1896.)

Sem comentários:

Publicar um comentário