domingo, 28 de agosto de 2016

Sá de Miranda 4

Desarrezoado amor, dentro em meu peito
Tem guerra com a razão. Amor, que jaz
E já de muitos dias, manda e faz
Tudo o que quer, a torto e a direito.

Não espera razões, tudo é despeito,
Tudo soberba e força, faz, desfaz,
Sem respeito nenhum, e quando em paz
Cuidais que sois, então tudo é desfeito.

Doutra parte, a razão tempos espia,
Espia ocasiões de tarde em tarde,
Que ajunta o tempo; enfim vem o seu dia:

Então não tem lugar certo onde aguarde
Amor; trata traições, que não confia
Nem dos seus. Que farei quando tudo arde?

Sá de Miranda 

(Sá de Miranda nasceu no dia 28 de Agosto de 1481. Morreu em 1558.)

Sem comentários:

Publicar um comentário