quarta-feira, 16 de março de 2016

Lupe Cotrim Garaude

De pedra

- Eu sou de pedra, me dizias,
a defender tua distância.


E esquecias o musgo,
essa tua epiderme de ternura,
e o teu corpo de carinhos,
num horizonte de água e terra,
a te envolver na vida.


- Eu sou de pedra - insistias.
- Pesado. Denso. Inalterável.
De estofo eterno.
Apenas estou, não sofro;
se algum gesto me ferir,
eu sou duro;
quebrarei o gesto sem sentir.


E esquecias
que és pouso de borboletas,
alicerce de flores,
abraço de raízes,
vulnerável em tudo
do que em ti pertence
e minha mão possui, acaricia.


- Eu sou de pedra.
E esquecias, esquecias.


"Entre a Flor e o Tempo", Lupe Cotrim Garaude

(Lupe Cotrim Garaude nasceu no dia 16 de Março de 1933. Morreu em 1970.)

Sem comentários:

Publicar um comentário