domingo, 1 de fevereiro de 2015

Passos Coelho e a arte de compulsar o manual

Creio que era o alegado primeiro-ministro de Portugal quem gostava de encher a boca com a palavra compulsar. Digo gostava, porque não sei se ainda gosta, uma vez que já há muito, por razões de limpeza, deixei de ouvir Pedro Passos Coelho.
Em ajuda à memória que fazia questão de não ter no mal contado caso da Tecnoforma, o Pedro dizia que compulsava informações, que compulsava documentos, suponho que compulsasse também os manuais. Compulsar o manual - expressão tão redundantemente onanística, que eu até acho que lhe ficava bem.

Sem comentários:

Publicar um comentário