quarta-feira, 30 de setembro de 2020

A Bíblia, aos bocadinhos

Jonas: a sorte do Benfica foi a baleia
Jonas era profeta com escritório em Israel e Deus mandou-o a Nínive passar umas gáspeas aos assírios, que eram maus como as cobras e de uma crueldade bíblica para com inimigos e povos vencidos em geral. Jonas acagaçou-se com os perigos da demanda e tentou desobedecer a Deus, fugindo, disfarçado de Hercule Poirot, numa viagem de cruzeiro pelo Mediterrâneo. Bons tempos! Deus levou a mal tamanha manifestação de cobardia e diletantismo, caiu-lhe em cima com uma tempestade de criar bicho e atirou-o borda fora. Jonas foi engolido por uma baleia e por lá se acomodou durante três dias e três noites. Ao fim da terceira noite, isto é, ao quarto dia, depois do pequeno-almoço, a baleia deu à Costa da Caparica e o resto da história é bem conhecido: Jonas assinou pelo Benfica e em cinco épocas e muitas lesões fez 183 jogos e marcou 137 golos. O que convenhamos.
 
(Jonas, o pistoleiro, pendurou as botas aos 35 anos e com as costas num frangalho. Tipo raro este Jonas, que também me incomodou bastante. Estimo-lhe as melhoras.) 
 
Noé faleceu aos 950 anos, inesperadamente
Noé, como todos os homens especialmente abençoados por Deus, era um incorrigível optimista. De hora a hora, dia após dia, durante quarenta dias, espreitava à janela da Arca, desviando a cortininha de chita estampada em degradê, e dizia à mulher: "É só um aguaceiro"... 
 
Sodoma e Gomorra (ou há moralidade ou...)
Os sodomitas, habitantes de Sodoma, ficaram com a pior parte da fama. Os gomorritas safaram-se, vá-se lá saber porquê, e nem constam nos dicionários. A História às vezes é muito injusta. 

Isaías, profeta e avançado
Isaías era profeta. Filho de Amoz, nasceu por volta de 765 a.C., acompanhou os reinados de Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias, uma linha média de se lhe tirar o chapéu quando disposta em 4-4-2 losango, casou com uma mulher conhecida apenas pelo nome de Profetisa, que o marido lhe pôs, e tiveram dois filhos: Sear-Jasube e Maer-Salal-Hás-Baz. Está-se a ver, portanto, aonde é que os brasileiros e a Luciana Abreu vão buscar os nomes para os  seus rebentos.
Isaías escreveu um livro para a Bíblia chamado especificamente Livro de Isaías para não ser confundido com o Deuteronómio. A crítica não lhe foi favorável. Diversos especialistas descrêem que a obra tenha um único autor, Isaías ele próprio, vendo-a, antes, como um trabalho a várias mãos e de diferentes épocas, coligido eventualmente no ano 400 a.C, ou até mais tarde. Isaías seria assim uma espécie de escritor dos nossos dias, nome de capa, escritor do que já foi escrito. Por outros.
Amuado com semelhante desmerecimento público, Isaías deixou-se de profecias, abandonou o reino de Judá e veio jogar futebol para Portugal, em 1987. Começou pelo Rio Ave, brilhou no Boavista e foi para o Benfica, onde fez cinco épocas, 178 jogos e 71 golos, ganhou dois campeonatos e uma Taça. Passou pelo Coventry City, de Inglaterra, e tornou cá em 1999, para representar o Campomaiorense. Regressou ao Brasil em 2000 e pendurou as botas em 2003.
Ficaram célebres os seus dizeres numa por acaso flash interview: "Ouvi a palavra do Senhor, príncipes de Sodoma, escutai a lei do nosso Deus, povo de Gomorra."
 
Salomão, como um alho
Salomão era muito rico e muito sábio. Ordenou a construção do Templo de Jerusalém e mandou cortar um bebé ao meio. Depois fugiu para o Brasil e entrou na telenovela "O Astro".
  
O Terceiro Homem
O terceiro homem foi Abel. Adão foi o primeiro, como o próprio nome indica; Caim, o segundo; e Abel, o terceiro. A seguir veio Sete, que, pela ordem natural das coisas, deveria ter sido Quatro, mas a Bíblia é como é e quanto a isso nada. Caim matou Abel, numa história negra muito bem contada pelo jornalista, espião e escritor inglês Graham Greene, que morreu há coisa de trinta anos. O livro deu filme de Carol Reed, que meteu Orson Welles e ganhou Cannes, BAFTA e um Óscar da Academia. Óscar evidentemente acúrsio.
 
A sarça ardente (ou presunção e água-benta...)
Quando Moisés disse "A minha vida dava um filme", Deus ficou bastante chateado, chegou lume ao monte e proclamou: - Agora apaga-o, que o Noé gastou-me a água toda. 
 
Os reis magos
Os três reis magos eram não se sabe quantos, e na verdade nem eram reis nem magos. Provavelmente inexistiram. Mas isso não interessa. O certo é que, depois de terem adorado o Menino Jesus, em Belém, e de lhe terem oferecido ouro, incenso, mirra, um tambor e um carrinho de bombeiros, dedicaram-se à bola: Gaspar brilhou no Rio Ave, Baltasar fez seis épocas no Sporting e Belchior joga na selecção de futebol de praia. 
 
Ezequiel, o primeiro José Rodrigues dos Santos
Ezequiel era um bem sucedido sacerdote e profeta na Babilónia, algures pelo século VI antes de Cristo. Apresentava o telejornal e escreveu um dos 73 ou 66 livros da Bíblia, consoante a cisma, constando o livro de quarenta e oito capítulos, o primeiro dos quais começava prometedoramente assim: "E aconteceu aos trinta anos, no quarto mês, a cinco dias do mesmo, que, estando eu no meio dos cativos, junto ao rio Cobar, se abriram os céus, e tive visões de Deus."
O livro vendeu razoavelmente. Arquivistas, bibliotecários e documentalistas catalogaram-no com o assertivo nome de Livro de Ezequiel, para que não houvesse enganos futuros. Respeitado tanto pelo cristianismo como pelo judaísmo, e talvez até pelo islamismo, Ezequiel era porém um infeliz feliz, sentia que lhe faltava algo. Por não ser época de Ferrero Rocher, resolveu então mudar de vida: deixou o negócio das visões, inscreveu-se numa escolinha de futebol e fez-se jogador. Vi-o algumas vezes em campo, pelado, mas sobretudo com a camisola do Lusitânia de Lourosa, corria para o fim o século XX depois de Cristo. 
 
Daniel, artista de circo
Daniel foi mediano profeta e consta da Bíblia no, exactamente, Livro de Daniel. Trabalhou na Babilónia como vidente e porventura cartomante, interpretando sonhos e visões, e tinha três amigos esquisitamente chamados Sadraque, Mesaque e Abednego. Foi também domador de leões, com um anjo como partenaire, dando início a essa lamentável tradição circense.
A fama chegou-lhe apenas em 1973, quando entrou numa canção do Elton John. 
 
Lucas Evangelista, médico e médio
Lucas era talvez médico e terá vivido na cidade grega de Antioquia, podendo ter sido um dos poucos cristãos originais que conviveram com os doze apóstolos. Admite-se que tenha emparceirado com Paulo e será, segundo a tradição, o autor dos Actos dos Apóstolos e do Evangelho de São Lucas, como o próprio nome indica, passando por isso a ser conhecido como Lucas Evangelista. Joga actualmente no Red Bull Bragantino do Brasil e é médio, não médico - e isto é certo.  
 
P.S. - Apontamentos publicados originalmente entre 2013 e Janeiro de 2020. No dia 30 de Setembro de 1452 começou a ser impressa a chamada Bíblia de Gutenberg, considerada o primeiro livro do mundo. Hoje é Dia da Bíblia Católica, crê-se que em homenagem a São Jerónimo, doutor da Igreja e conhecido por ser o primeiro tradutor das Escrituras para o latim vulgar, popularizando assim o seu conteúdo. Já agora, e só para que conste: a minha Bíblia é protestante.

Trindade

Foto Hernâni Von Doellinger

O papa que me escangalhou o presépio

Joseph Ratzinger tinha 85 anos quando, em 2012, resolveu escangalhar o presépio. Tirou a vaca e o burro, porque - dizia o então papa e actual contrapapa - no local do nascimento de Jesus "não havia animais". Portanto também não havia ovelhinhas, o que quer dizer que também não houve pastorinhos do deserto. Sobravam, isso sim, os três reis magos. Gente fina, vinho de outra pipa. Reis. E magos (porque o champanhe ainda não tinha sido inventado). Esses, é certo, estiverem lá, em representação de toda a humanidade - segundo Bento XVI. Estiveram os reis magos e os anjos cantadores.
Eu por acaso até era mais dado a acreditar no burro e na vaca do que na mirabolante história de Gaspar, Melchior e Baltasar, uma boa linha média para quem jogue em 4-3-3, mas que se há-de fazer? Mais de dois mil anos a aquecerem o Menino com os respectivos bafos e é este o pagamento que o burrinho e a vaquinha recebem.
Sempre atento às verdadeiras e mais urgentes necessidades do mundo e da cristandade, Ratzinger, o reaccionário e intriguista, resolveu escangalhar o presépio. Estaria no seu direito. Mas no meu não mexe! Tarrenego!

P.S. - Publicado originalmente no dia 23 de Novembro de 2012. No dia 30 de Setembro de 1452 começou a ser impressa a chamada Bíblia de Gutenberg, considerada o primeiro livro do mundo. Hoje é Dia da Bíblia Católica, crê-se que em homenagem a São Jerónimo, doutor da Igreja e conhecido por ser o primeiro tradutor das Escrituras para o latim vulgar, popularizando assim o seu conteúdo. Já agora, e só para que conste: a minha Bíblia é protestante.

E o porquinho pode?...

Foto Hernâni Von Doellinger

O pecado original

Corria tudo bem no Paraíso. Quer-se dizer: corria tudo na paz do Senhor. Poder-se-ia até afirmar, creio que sem forçar demasiado a nota, que o Paraíso era, naquele tempo, um autêntico paraíso. Estava escrito, porém, que Adão e Eva tinham de asnear. Podiam ter cometido um pecado qualquer, um pecadinho de nada, um pecado repetido, copiado, um que estivesse na moda. Mas não! - quiseram ser originais. E deu na merda que deu. Até hoje. 

Divina comédia, parte dois

Foto Hernâni Von Doellinger

O reino dos céus por uma mobília de sala

Andam aos pares, como o Senhor mandou para a arca, aos pares e de Bíblia na mão, e vê-se logo que são boas pessoas. Missionam a bom missionar, de porta em porta, no meio da rua, sujeitam-se a malcriadezas em nome da fé que têm para dar e vender, e dou-lhes valor por isso. Um par interpelou-me um destes dias, ali em baixo, no passeio à beira-mar onde às vezes montam banca:
- Um minutinho, por favor, já pensou no que lhe acontecerá quando morrer? E porque morremos? Não quer saber a verdade acerca da morte?
Eu, que achei a abordagem um bocado desajeitada e tétrica, desnecessariamente radical, resolvi dar-lhes uma ajuda, recentrando o assunto:
- Não é nada da morte que me querem falar, pois não? A morte até poderia ser um bom princípio, em termos de marketing, de aproximação tablóide à clientela, quero dizer, mas vocês querem é falar-me da vossa Igreja, querem converter-me à vossa Igreja, querem anunciar-me Deus, o único verdadeiro, Jeová, é ou não é?
Era.
- Então, em verdade vos digo, assim será feito - disse eu, com voz de sarça ardente ditando leis -, ouço-vos, vocês falam-me da vossa Igreja e de Jeová, mas só se também me derem tempo de antena para eu vos falar de uma mobília de sala de jantar muito jeitosa que tenho para vender.
- Mas para que queremos nós ouvi-lo falar acerca da mobília de sala de jantar, se temos uma praticamente nova, estamos tão bem servidos e não precisamos de mudar? - respondeu o par em coro e percebi logo que, para além de par, formava também casal.
A resposta era mesmo a que me calhava, portanto sentenciei:
- Pois, caríssimos irmãos, eu e Deus é a mesma coisa: já tenho um e estou muito contente com Ele. Vou agora trocar, porquê? E amém.

Eu sei que fui (sou) um bocado parvo. Mas correu bem. Vendi-lhes duas mobílias de sala de jantar.

P.S. - Publicado originalmente no dia 30 de Dezembro de 2015. No dia 30 de Setembro de 1452 começou a ser impressa a chamada Bíblia de Gutenberg, considerada o primeiro livro do mundo. Hoje é Dia da Bíblia Católica, crê-se que em homenagem a São Jerónimo, doutor da Igreja e conhecido por ser o primeiro tradutor das Escrituras para o latim vulgar, popularizando assim o seu conteúdo. Já agora, e só para que conste: a minha Bíblia é protestante.

Cantai, sinos, sinos

Hernâni Von Doellinger

Quando a Bíblia bate à porta

Bateram à porta e Dona Amélia abriu. Pensava que era o carteiro. Eram duas senhoras muito simpáticas com uma revista nas mãos. A revista chamava-se A Sentinela e as duas senhoras muito simpáticas queriam falar, mas Dona Amélia não as queria ouvir. Que não tinha vagar para revistas nem para jornais, que fizessem o favor de ir andando, que ela tinha mais que fazer. As pessoas com 84 anos e sós são mesmo assim, estão sempre muito ocupadas. As duas senhoras muito simpáticas, e pacientes, insistiam de pé enfiado na porta e revista em riste, falavam do fim do mundo, da Bíblia, de profecias, do Reino de Deus, de Jesus Cristo, de religião, e aqui, alto e pára o baile, Dona Amélia arrebitou as orelhas e perguntou: - Ai vocês são da religião?...
- Somos Testemunhas de Jeová - responderam as duas senhoras muito simpáticas e pacientes.
- Olha, ainda por cima jeovás! Rua, andor daqui para fora! - mandou Dona Amélia, sacando do toco de vassoura, mais rápida que a própria sombra. - Eu não acredito nessas lérias. Eu não acredito na religião católica, que é a verdadeira, e ia agora... Xô, xô, xô, já disse!

P.S. - Publicado originalmente no dia 20 de Abril de 2016. No dia 30 de Setembro de 1452 começou a ser impressa a chamada Bíblia de Gutenberg, considerada o primeiro livro do mundo. Hoje é Dia da Bíblia Católica, crê-se que em homenagem a São Jerónimo, doutor da Igreja e conhecido por ser o primeiro tradutor das Escrituras para o latim vulgar, popularizando assim o seu conteúdo. Já agora, e só para que conste: a minha Bíblia é protestante.

Interlúdio fotográfico 278

Foto Hernâni Von Doellinger

Vai uma voltinha?...

Volta a Portugal em bicicleta
- Volta a Portugal em bicicleta! - recomendaram-lhe de casa. E ele voltou. Estava sem gasolina no carro e sem dinheiro no cartão e na carteira. Em Tui. Foi um tirinho...

A arte do sarapint
Era um extraordinário ciclista e não fazia caso à gramática. Dizia que gostava de correr "isolado, sozinho, sem mais ninguém", porque depois, na meta, "cada cal é cada cal e cada um sarapinta como pode". Venceu uma Volta a Portugal e era do meu FC Porto e das minhas memórias. Carlos Carvalho. Tive o privilégio de conhecê-lo anos mais tarde, eu moço, ele já reformado do pelotão mas não das bicicletas. E então o meu gigante das estradas era aquele homenzinho? Aquilo é que era o colosso de rodas? Era. E fiquei a admirá-lo ainda mais, como quem admira um deus de impossíveis.

Golo de bicicleta
Que extraordinário golo de bicicleta! Um golo estratosférico, sensacional, fabuloso, espectacular, fenomenal, incrível, magnífico, maravilhoso, brutal - consoante os comentadores. Mas não valeu. "Futebol é uma coisa e ciclismo é outra" , explicou o árbitro, sinaleticamente falando, e nem precisou do VAR. 

O Grosso da Coluna e o Maciço Central
A diferença entre o Grosso da Coluna e o Maciço Central pode resumir-se-se assim: o primeiro é corredor de bicicletas e o segundo joga no eixo da defesa, como agora se diz. E o que têm em comum? Fisicamente falando, pertencem ambos à família dos Armários. 

Espírito de contradição
Ao contrário de todos os outros ciclistas, ele gostava de correr da frente para trás. Provocava muita confusão e inúmeros acidentes, realmente, mas, lá está, cada um é como cada qual.

O primeiro pódio
Era a primeira vez que subia ao pódio. Chegou-se ao microfone e disse, pigarreando, "Chape, chape, um, dois; um, dois, três; um, dois, três, quatro, experiência". Que pena ser num comício...

Mal comparando
A lampreia é um ciclóstomo. O Amaro Antunes é um ciclístomo.

O Velho Lau e o Lausperene
Que fique assente de uma vez por todas: o Velho Lau e o Lausperene não são uma única e mesma pessoa, como muito boa gente cuida, e, aliás, Lausperene nem sequer é pessoa. O Lausperene, ou Sagrado Lausperene, é a exposição e adoração permanente do Santíssimo Sacramento nas igrejas ou capelas. O Velho Lau é Venceslau Fernandes, ex-ciclista realmente de longeva carreira e pai da triatleta Vanessa Fernandes, Velho porque ganhou a Volta a Portugal de 1984, tinha então 39 anos, e correu até aos 46, derivando talvez daí a compreensível confusão...

As despesas da corrida
Fez todas as despesas da corrida. Quando no fim lhe apresentaram a conta, ia morrendo do coração...

A volta ao quarteirão
Por mais voltas que desse ao quarteirão, eram sempre vinte e cinco, e não saía dali.

O ciclista isolado
Era um ciclista que se isolava com frequência. E também com fita preta Advance desde 1,44 sem IVA.

O fugitivo
Era um atacador nato, o primeiro a arrancar e a assumir a liderança de todas as etapas em que participava, apenas uma por prova. Na meta, 170 km depois, tinha desistido 169 km antes. 

O escalador
Corre na Volta a Portugal e os expertos dizem que é um grande escalador. Mas a verdade é esta: passaram-lhe para as mãos um robalo e ele nada, entregaram-lhe um rodovalho e ele nicles, deram-lhe até um chicharro e ele sem saber que volta dar-lhe. A montanha parira um rato. Ele, disse ele, afinal era mais douradinhos da Iglo... 

Interlúdio velocipédico

Foto Hernâni Von Doellinger

Paulo Bomfim 4

Poema das grandes catedrais

As grandes catedrais ressurgirão das águas,
E as aves da floresta conhecerão
A linguagem dos peixes noturnos...
As grandes catedrais ressurgirão das ondas,
Trazendo para o mundo das nuvens
As princesas sem reino coroadas de coral...
As grandes catedrais ressurgirão dos tempos,
E os homens serão crianças,
Contemplando o mar pela primeira vez!


"Poema do Silêncio", Paulo Bomfim

(Paulo Bomfim nasceu no dia 30 de Setembro de 1926. Morreu em 2019.)

Yin e Yang

Foto Hernâni Von Doellinger

terça-feira, 29 de setembro de 2020

De Lotário a Mandrake

Lotário era neto de Carlos Magno e primeiro foi o terceiro imperador do Sacro Império Romano-Germânico, isto pelos inícios do século nono. Só muitos muitos anos depois, exactamente em 1934, é que se tornou ajudante do mágico Mandrake.

P.S. - Lotário I, o príncipe romano-germânico e não o príncipe e hércules africano, morreu no dia 29 de Setembro de 855.

Lugar de garagem

Foto Hernâni Von Doellinger

Oh, my dicky ticker!

Eu tinha um cardiologista e visitava-o de quatro em quatro meses. Falávamos de jornais, de jornalistas, de política, de restaurantes secretos e fora de mão e sobretudo do FC Porto. E media a tensão, o que é extraordinário! Deixei. Deixei também o urologista e fiquei-me apenas com o dentista, que me sevicia de meio em meio ano, fora os inopinados. É a crise, é a vida. Um destes dias morro e vão dizer que foi por por causa de eu ter deixado de falar de jornais, de jornalistas, de política, de restaurantes secretos e fora de mão e sobretudo do FC Porto com o meu ex-cardiologista.

P.S. - Publicado originalmente no passado dia 14 de Agosto. Hoje, 29 de Setembro, é Dia Mundial do Coração.

Interlúdio florgráfico

Foto Hernâni Von Doellinger

O que é preciso é saber pedir

Cátia Soraia entrou na universidade e mandou uma mensagem à mãe a pedir um concelho. A mãe, que é rica e boa alma, enviou-lhe Freixo de Espada à Cinta.

Também faço isto muito bem 503

Foto Hernâni Von Doellinger

Luís Miguel Nava 5

Sem outro intuito
 
Atirávamos pedras
à água para o silêncio vir à tona.
O mundo, que os sentidos tonificam,
surgia-nos então todo enterrado
na nossa própria carne, envolto
por vezes em ferozes transparências
que as pedras acirravam
sem outro intuito além do de extraírem
às águas o silêncio que as unia.

"Vulcão", Luís Miguel Nava

(Luís Miguel Nava nasceu no dia 29 de Setembro de 1957. Morreu em 1995.)

Na minha rua passa o mar 90

Foto Hernâni Von Doellinger

Elvira Vigna 3

Desses momentos - há um motorista de táxi esperando para saber aonde ir - de definição impostergável sobre quem é o macho, quem é a fêmea. Era Paulo quem tinha de dizer para qual motel iriam. Uma pergunta do tipo Você conhece aí um motel legal, benhê?, e nem seria o caso de continuar o caminho.
Esse era um motel velho conhecido de Paulo, o único conhecido. 
Foram. 
Treparam. 
N. com mais desenvoltura que Paulo. Luz acesa, cortina semiaberta, uma nudez sem problemas, peitos, bunda, boceta, ali, às claras. Prometia. Mas Paulo iniciava com beijinhos, carinhos, palavras de afeto. Odiando‑se por isso, sem saber como sair disso. N. também maneirava nesse primeiro dia, sem querer parecer puta, sempre um risco em situações como a sua. 
Fizeram um papai e mamãe e depois ficaram por ali, nus, fumando o mesmo cigarro, retomando as conversas que tinham havia tanto tempo, nos almoços e cafés marcados, sempre a sós, quando falavam sobre programas de tradução, tradutores amigos, novos clientes etc. 
Ficaram trepando, sempre numa tentativa de sair de um limite que, justamente por existir, era o que criara o encontro. 
E depois foram embora, pedindo dois táxis. N. foi para a casa dela, Paulo para o hotel. 
 
"Nada a Dizer", Elvira Vigna

(Elvira Vigna nasceu no dia 29 de Setembro de 1947. Morreu em 2017.)
 

Vida de cão 521

Foto Hernâni Von Doellinger

Xosé Trapero Pardo 4

!Ojos claros, serenos,
que de dulce mirar sois alabados!...
pra non vir nunca a menos,
precurade estar sempre ben lavados;
¡que as lagañas n-os ollos son os frenos
que traban a pasión dos namorados!

"Lóstregos e Moxenas", Xosé Trapero Pardo

(Xosé Trapero Pardo nasceu no dia 29 de Setembro de 1900. Morreu em 1995.)

Caminho 833

Foto Hernâni Von Doellinger

Alexandre Cribeiro 5

[Tremendamente triste vouche pedir]

Tremendamente triste vouche pedir
que me deala man, compañeiro,
que eu sinvo pra loitar
i-o meu sangue é do teu.
Por onde fuxe a libertade
estaremos hirmán
pra recolle-lo plomo.
Pero resulta verdadeiramente importante
que tu me deala man,
pois que de duas xuntas i-agarradas
quedan ceibes outras duas,
fortes e seguras
como a fame que a Terra exporta.
Vente compañeiro,
vamos ó regueiro onde ferve o sangue
que xa non debe ser inútil.
Vente, compañeiro, que por máis que maten
o acougo mais valerá.
Vamos pola beira
que inda somos poucos:
o frente xa se encherá.

"Acoitelado na Espera", Alexandre Cribeiro 

(Alexandre Cribeiro nasceu no dia 29 de Setembro de 1936. Morreu em 1995.)

Foi de carrinho... 6

Foto Hernâni Von Doellinger

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

Será que o metro está certo?

O caralho é o metro-padrão português
Contente como o caralho, rico como o caralho, bom como o caralho, gordo como o caralho, tolo como o caralho, chato como o caralho, distraído como o caralho, salgado como o caralho, fodido como o caralho. O caralho é a nossa unidade de medida, o termo de comparação que o português tem sempre à mão ou na ponta da língua, consoante. É o nosso metro-padrão. E devia estar guardado com todos os cuidados no Arquivo Nacional da Torre do Tombo.
 
Dois pesos e duas medidas
Tinha dois pesos e duas medidas. Um peso na balança do quarto de dormir e outro peso na balança do quarto de banho, que lhe subtraía graciosamente cerca de quilo e meio. Quanto às medidas, a primeira foi desfazer-se da balança do quarto de dormir. 
 
Com os copos não há meias medidas
Há duas posições fundamentais nos copos: o copo cheio e o copo vazio. Ao copo cheio dá-se-lhe um beijinho e o copo vazio deve ser escorropichado. O resto é conversa.
 
O aferidor de pesos e medidas
- Esta noite choveu a cântaros!
- A almudes, se faz favor...
  
A medida do homem
Os homens não se medem aos palmos. Medem-se aos furcos.

Crimes de peso
Era um contumaz praticante de crimes de peso. Até que foi apanhado. Os fiscais apreenderam-lhe a balança e o tribunal aplicou-lhe um coima de mil euros.

P.S. - O comprimento do metro-padrão foi definido pela Conferência Geral de Pesos e Medidas no dia 28 de Setembro de 1889.

Nós, os pássaros

Foto Hernâni Von Doellinger

Pecando por defeito

Pecava muito por defeito. E que queriam? Que pecasse por virtude?

Também faço isto muito bem 502

Foto Hernâni Von Doellinger

António Jacinto 8

Declaração

As aves, como voam livremente
num voar de desafio!
Eu te escrevo, meu amor,
num escrever de libertação.

Tantas, tantas coisas comigo
adentro do coração
que só escrevendo as liberto
destas grades sem limitação.
Que não se frustre o sentimento
de o guardar em segredo
como liones, correm as águas do rio!
corram límpidos amores sem medo.

Ei-lo que to apresento
puro e simples - o amor
que vive e cresce ao momento
em que fecunda cada flor.

O meu escrever-te é
realização de cada instante
germine a semente, e rompa o fruto
da Mãe-Terra fertilizante.

António Jacinto

(António Jacinto nasceu no dia 28 de Setembro de 1924. Morreu em 1991.)

O Ben-Hur de Nevogilde

Foto Hernâni Von Doellinger

domingo, 27 de setembro de 2020

O gesto é tudo (e nós não sabemos)

Ou há moralidade...
Não havia quem lho tirasse da ideia: se um cego é invisual, um surdo é insonoro.
 
Finura
Era de uma educação requintada. Dizia: "Tem progenitor que é invisual". Dizia: "Em terra de invisuais, quem possui um olho é monarca". Dizia: "O pior invisual é aquele que se recusa a vislumbrar". Dizia: "A palavras loucas, pavilhões auriculares insonoros".
 
P.S. - Notas publicadas originalmente nos dias 11 e 25 de Novembro de 2018, respectivamente. Hoje, último domingo de Setembro, é Dia Mundial do Surdo. Pensei: e se a escola - para além de Português, Francês e Inglês, de Matemática e Geografia, de Cidadania e Educação Moral e Religiosa - nos ensinasse também a todos Linguagem Gestual?...

O tamanho importa (falemos de barcos e de cus)

Foto Hernâni Von Doellinger

Moro mesmo em frente ao mar, se for para a varanda e me puser de lado. É o que costumo dizer: na minha rua passa o mar. No meu quintal estacionam navios de passeio mediterranicamente atlânticos, paquetes carregados, descarregados e outra vez carregados de turistas rotundos e supersónicos que conseguem turistar o Norte de Portugal inteiro em menos de oito horas. Há quem chame ao meu quintal, por inveja, Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões. Mas não: é o meu quintal!
Noutro dia estacionou-me ali em baixo o Costa Pacifica, o da fotografia. São mais de 290 metros de navio para 3.780 passageiros. Os paquetes que me batem regularmente à porta têm-me dado que pensar, suscitam-me reflexões de pequena e média profundidade que aqui humildemente partilho com os meus queridos leitores. E daquela vez vieram-me à cabeça os cus. Os cus que os cruzeiros descarregam e recarregam.
Cu de turista não é brincadeira, já repararam? É traseiro de bitola larga e se for cu americano então ocupa o mundo inteiro, incluindo o México e o Brasil, menos a Alemanha e a Rússia. Até parece que para se ser turista - turista encartado - é preciso ter um cu daqueles. E o cu alemão e o próprio cu russo também para lá caminham, não querem ficar atrás. O que diz tudo a respeito dos cus.
Imagino que sejam muito ricos os camones com que me cruzo nas bordas do Porto de Leixões - eles a saírem todos cheios de good morning e eu, de passagem, "desculpem lá a shit de dog na sola da sandália, é good luck, com os cumprimentos de Matosinhos City
". Tão turistas e tão prendados de cu, têm de ser muito ricos. Engordam e viajam porque podem. Se calhar são todos reformados da administração do Millennium BCP ou do BES mas não querem que se saiba.
Os turistas. Chegam e parece-me sempre um congresso de cus com sala de espera no Passeio Atlântico, que se vê à rasca para aguentar semelhante pesadelo. Toneladas e toneladas de bagagem extra em traseiros colossais e gingões mesmo à frente do meu nariz e que até naufragam tuque-tuques. Confesso: é um espectáculo que não pára de maravilhar-me. Olho para os cus e olho para o barco, e só me apetece elogiar o génio humano, os avanços da ciência, os milagres da indústria, a arte e o engenho dos modernos fazedores de navios, supremos desafiadores das leis da física. Fascina-me aquilo que não consigo compreender. Para os cus e para o barco, olho. Olho para o barco e penso: como é que aquilo não vai ao fundo com tanto cu descomedido lá enfiado?


P.S. - Publicado originalmente no dia 4 de Novembro de 2012. Hoje, 27 de Setembro, é Dia Mundial do Turismo. Derivado à pandemia, Matosinhos está actualmente sem barcos, sem turistas e portanto sem cus. Sobram os alojamentos locais e os espanhóis, que são outra coisa.

Caminho 832

Foto Hernâni Von Doellinger

Bernardino Graña 4

O gato da tasca mariñeira

Aquí non hai silencio porque hai homes
falan os homes falan
aquí non pasa o vento esa fantasma
os homes falan falan
e fórmase outro vento outro rebumbio
unha fantasma feita deste fume
este fumar sen tino estas palabras
e pasa un suave gato que é da casa.

Beben viño coñac
berran discuten contan chistes mascan
un pouco de xamón tal vez chourizo
o gato ulisca cheira mira agarda
vai á cociña vense ao mostrador quixera
un anaquiño de boa carne un chisco
de tenrura algún queixo unha migaIla.

Aquí non hai vagadas nin roncallos
non se ven os cabezos nin as praias
o taberneiro bole saúda cobra serve fala
cambea mil pesetas chama á muIler á berros
e contesta ao teléfono ás chamadas
e os homes berran moito cheos de ira
e rin e danse a man e nada pasa.

O gato calandiño ergue as orellas
tan maino tan suavísimo sen gana
cruza por entre as pernas entre as botas
altas botas de caucho contra as augas co seu rabo
arriquichado e duro e tan en calma
e aquí non hai silencio que hai vinte homes
e están ben lonxe os mares que arrebatan.

Se acaso o gato mira os ollos do borne
guicha en suspenso escoita en paz agacha
unha orelliña aguda e indiferente
lambe teimudo e calmo unha das patas
e se acaso durmiña e abre un olIo
e ve que os homes beben fuman discuten moito non se cansan
de ensaladilla callos mexilóns anchoas
e viño e viño e viño tinto e branco en tantas tazas
e esgarran cospen entran saen empuxan brindan cantan
e a radio está acendida e óese música
e o gato pasa indemne comprendendo ten costume son os homes
non se espanta.

"Profecía do Mar", Bernardino Graña

(Bernardino Graña nasceu no dia 27 de Setembro de 1932)

Rolling on the sea

Foto Hernâni Von Doellinger

sábado, 26 de setembro de 2020

Quando chorei por Marcelo

Junho de 1973. De visita a Londres, Marcelo é recebido por uma manifestação de protesto contra a presença de Portugal nas então chamadas províncias ultramarinas e, de uma forma geral, contra a política africana do Governo português. "Portugal no more massacres. Get out of Africa now!", lê-se em alguns cartazes. Eu nem queria acreditar. Os meus olhos viam a preto-e-branco o que se passava no televisor do bar dos Bombeiros de Fafe, que eu tinha só para mim naquela hora do meio-dia, e a revolta transformava-se-me em choro. Chorei de raiva. Como se atreviam?! Que vergonha! Que falta de respeito! Angola é nossa e ponto final.
No regresso a Lisboa, Marcelo foi graças a Deus surpreendido por uma manifestação espontânea muito bem preparada, uma manifestação a bem da Nação, de desagravo pessoal e de apoio às políticas africanas do Governo, uma manifestação contra a manifestação de Londres, mas com muito mais povo, muitas mais camionetas, muitos mais letreiros, muitos mais garrafões de vinho e salpicões e muitos mais Vivas!, toma lá ò camone a ver se gostas...
Marcelo dizia, da varanda do Palácio de São Bento, rodeado pelos pândegos mandadores de Vivas!: - Não esperava esta manifestação, mas compreendo-a. - E depois falou de política, mas isso já não me interessava. Eu estava outra vez comovido, agora de auto-satisfação patriótica, de respeitoso respeito a Sua Excelência. Quem me dera estar lá também com o garrafão. Ainda por cima eu nunca tinha ido a Lisboa. Chorei, pois claro que chorei, e as lágrimas já me toldavam o preto-e-branco do aparelho, mas saí dali de alma lavada e, se querem que lhes diga (e ainda que não queiram), também eu algo desagravado.
Junho de 1973. O Marcelo era Caetano e eu era um palerma.

P.S. -
Marcello José das Neves Alves Caetano, jurista, professor universitário, delfim do Estado Novo, sucessor de Salazar e último chefe do Governo antes do 25 de Abril de 1974, foi nomeado presidente do Conselho de Ministros no dia 26 de Setembro de 1968.

Também faço isto muito bem 501

Foto Hernâni Von Doellinger

Eu só queria ir à farmácia...

17h15. Fui à farmácia e perguntaram-me "então o que é que o traz por cá" e eu expliquei "aconteceu-me isto assim assim e queria ver se me podiam dar qualquer coisa". O meu problema era no olho. Direito. "Ora mostre lá o olho", e eu mostrei, "ui, vai ter de ir ao médico", e eu fui. A pé, da Rua Brito Capelo até ao Centro de Saúde de Matosinhos, que é um pedaço acima da Câmara Municipal.
No centro de saúde fui atendido em menos de uma hora. Perguntaram-me "então o que é que o traz por cá" e eu expliquei "aconteceu-me isto assim assim, fui à farmácia, na farmácia mandaram-me ao médico, e eu vim". "Ora mostre lá o olho", e eu mostrei, "vai ter de ir imediatamente ao oftalmologista, mas, como no Hospital Pedro Hispano não há urgência da especialidade, pegue lá esta carta e vá ao Hospital de Santo António", e eu fui. A pé até à Avenida Serpa Pinto, apanhei o 500 até ao Castelo do Queijo, esperei uma hora pelo 200 e lá cheguei ao Santo António quando o trânsito me deixou.
Na urgência fui atendido em menos de um quarto de hora. Perguntaram-me "então o que é que o traz por cá" e eu expliquei "aconteceu-me isto assim assim, fui à farmácia, na farmácia mandaram-me ao médico, o médico mandou-me aqui, e eu vim". "Ora mostre lá o olho, encoste aí o queixo e olhe para esta luzinha", e eu mostrei, encostei e olhei. "Tome lá esta receita, são umas gotas para colocar de duas em duas horas, vá já à farmácia", e eu fui. Estava de volta à casa de partida, passava pouco das 21h45.
E tudo isto pelos cinco euros da taxa moderadora que paguei no centro de saúde, mais as viagens e os quase catorze euros das gotas, que afinal nem precisavam de receita médica, e que estou a pensar meter como despesas de representação.

Sei que tenho o melhor serviço nacional de saúde do mundo. Raramente lhe dou uso, mas frequento-o assiduamente e vivo de olhos abertos. Querem saber o que é o nosso Serviço Nacional de Saúde? Não são taxas e isenções. São as pessoas: os auxiliares, os médicos e os enfermeiros, que todos os dias trabalham no arame e sem rede, que já lhes tiraram há muito, e fazem funcionar uma coisa que na verdade já nem existe, ou, se quisermos ser bondosos, vai morrendo aos bocadinhos. A minha urgência pareceu-me uma desnecessidade, mas as pessoas quiseram fazer bem - são profissionais. E faço figas para que me tratem sempre assim mas palminhas. Em todo o caso, palavra de honra, eu só queria ir à farmácia.

P.S. - Publicado originalmente no dia 27 de Setembro de 2014. Quer-se dizer: uma homenagem aos profissionais do SNS com quase seis anos de avanço em relação ao novo coronavírus. E continuo sem arrepender-me de ter razão. Hoje, 26 de Setembro, é Dia Nacional do Farmacêutico.

Of course, of course...

Foto Hernâni Von Doellinger

A língua portuguesa...

- Temos tomado a nossa medicação? - pergunta-me ela.
- Temos, temos, senhora doutora - respondo eu, que sou uma pessoa educada e um exemplar tomador de medicações.
- Temos feito o nosso exerciciozinho diário?
- Todos os dias, senhora doutora.
- Temos moderado a nossa alimentação?
- Que remédio, senhora doutora. O dinheiro já só dá para cascas de batatas. 
- Ora ainda bem. Vamos lá ver como que é temos a nossa tensão - diz-me ela.
- Vamos a isso, senhora doutora, nem é tarde nem é cedo - digo eu, tirando o casaco e arregaçando a manga da camisa.
Vimos a tensão.
- Temo-la um bocadinho alta - informa-me ela, sem esconder a preocupação.
- Um bocadinho pouco ou um bocadinho muito, senhora doutora? - pergunto eu, também já um bocadinho muito à rasca. 
- Bastante, bastante. Vamos meter este comprimidozinho debaixo da língua e vamos deitar um bocadinho ali - diz-me ela.
- Vamos lá então, senhora doutora. A senhora doutora primeiro, que eu gosto de ficar por cima - digo eu, que, repito, sou uma pessoa educada e exemplar tomador de medicações. 

P.S. - Publicado originalmente no dia 27 de Dezembro de 2012. Hoje, 26 de Setembro, é Dia Europeu das Línguas.

Não me dê lume, por favor

Foto Tarrenego!

Os que deixaram de fumar 
Bonifácio Terrafunda era coveiro no cemitério da Junta de Freguesia de Sabugal do Meio há mais de quarenta anos. Funcionário exemplar, pai de duas famílias. Um dia, para o que lhe havia de dar, resolveu dividir o campo-santo em dois talhões devidamente assinalados, um para "Fumadores" e outro para "Não fumadores", como nos aviões antigamente. A coisa veio nos jornais, quer-se dizer, no Correio da Manhã. Anacleto Boavida, jovem presidente da autarquia, passou-se dos carretos, instaurou inquérito e competente processo disciplinar, meteu advogado e testemunhas, imagens do YouTube, e o velho coveiro foi inapelavelmente remetido para o olho da rua, por indecente e má figura, isto é, despedido com justa causa. "É que não se admite, com os mortos não se brinca - justificava o fulgurante autarca, alto e bom som, para quem o quisesse ouvir, que era a esposa. - Aquela gente, se lá está, é porque, por definição, deixou toda de fumar."
 
Algo de definitivo
Havia algo de definitivo no que ele dizia. Ele dizia: - Já não se fazem cigarros como antigamente...
 
Uma questão de respeito
- Nunca fumei à frente do meu pai.
- Porquê?
- Por uma questão de respeito.
- Mas o teu pai sabe que tu fumas?
- Sempre soube. Há que anos...
- E então?
- É uma questão de respeito.
- E o teu filho sabe que tu fumas?
- Claro que sabe.
- E tu fumas à frente do teu filho?
- Claro que fumo. Desde sempre...
- Porquê? 
 
Love is in the air
Parzinho de namorados. Romântico e fumador. O rapaz dá uma passa no respectivo cigarro e a seguir lança ao ar uma imensa nuvem de fumo. A rapariga dá uma passa no respectivo cigarro e a seguir o rapaz lança ao ar uma imensa nuvem de fumo. O que é extraordinário.
 
P.S. - Hoje, 26 de Setembro, é Dia Europeu do Ex-Fumador. Muitos parabéns!

Apontar é lindo

Foto Hernâni Von Doellinger

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

Tinha sonhos mas comeu-os

Tinha muitos sonhos. Comei-os todos de enfiada e ocorreu-lhe uma caganeira das antigas. É para aprender a não ser lambão... 

P.S. - Hoje, 25 de Setembro, é Dia Mundial do Sonho.

Interlúdio fotográfico 277

Foto Hernâni Von Doellinger

Tinha um sonho mas já não tem

Tinha um sonho muito antigo. Levou-o à Feira da Vandoma. Deram-lhe euro e meio por ele.

P.S. - Hoje, 25 de Setembro, é Dia Mundial do Sonho.

As folhas caem, é certo, e os cabelos também

Foto Hernâni Von Doellinger

Eles não sabem que o sono

Dormia, por norma, dezasseis ou dezassete horas, consoante fossem dias ímpares ou pares, respectivamente. Ia ao emprego marcar o ponto de saída e era alvo de todas as críticas, atacado por patrões, colegas e até pelo sindicato. Defendia-se, filosoficamente: - Vocês não sabem que o sono é uma constante da vida, tão concreta e definida como outra coisa qualquer?... 

P.S. - Hoje, 25 de Setembro, é Dia Mundial do Sonho.

O tamanho dos sonhos é, geralmente, 45x62

Foto Hernâni Von Doellinger

Num certo sentido

- Num certo sentido, o caro amigo é um bocado parvo!
- Mas em que sentido, concretamente?
- No sentido Lisboa-Porto.
- Ao quilómetro 143?
- Nem mais.
- Também já andava desconfiado...

Também faço isto muito bem 500

Hernâni Von Doellinger

Daniel Pernas Nieto 6

Pombiñas
 
Pombas, que tras d'o diñeiro,
fuxen deixando a terriña,
non volverán tan axiña,
non volverán d'o estranxeiro; 
xotadas d'un merendeiro 
trocan o lentor d'o seo
d'o seu fillo po-lo alleo, 
d'a pátrea po-la extranxeira, 
sin lembrarse d'a maneira 
que lles serviron desteo. 
 
Coitadas, entre froliñas
durmindo sonos dourados, 
soñan con deixar os prados, 
as xestas i-as abruliñas, 
e ben cravadas d'espiñas 
choran d'a terr'aleixadas,
ó verse tan aldraxadas 
por xente que sin concéncea
hastra lles roub'a inocéncea,
dempóis d'estar ben axadas. 
 
Mulleres, qu'os vosos lares 
deixades aí tan orfiños,
lembrad'aqueles airiños
que brúan entr'os pinares; 
lembrad'aqueles cantares,
i-aquelas veigas froridas,
i-as xesteiras tan garridas 
que solecen n-a montaña, 
e dempóis d'a terra estraña 
fuxide coas vosas vidas. 
 
Pombiñas, pombiñas, pombas, 
xotadas d'os vosos lares, 
volved'ós irtos lugares, 
volvede vivir ás lombas, 
volvede a xuntar n-as combas
froliñas d'o verde toxo,
pra logo d'o forno roxo
levalas á sementeira; 
onde dirán... estranxeira,
case tras o corpo froxo.

"Fala das Musas e Outros Poemas", Daniel Pernas Nieto

(Daniel Pernas Nieto nasceu no dia 25 de Setembro de 1884. Morreu em 1946.)

Caminho 831

Foto Hernâni Von Doellinger

Augusto Casas 5

O sol, abella d'ouro, funga na lonxanía,
a escoar sangue riba das terras fartas;
i unha velliña pastoreando ovellas
faille camiño â noite nas searas.


"O Vento Segrel", Augusto Casas

(Augusto Casas nasceu no dia 25 de Setembro de 1906. Morreu em 1973.)

Mobiliário urbano (propriamente dito) 196

Foto Hernâni Von Doellinger

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

O Euromilhões em memória do Totobola

Pedi aos sonhos e saiu-me o euromilhões
Foi aqui mesmo, acto público, pedi aos meus sonhos e aos meus mortos que me indicassem o caminho para o Euromilhões. Querem saber a melhor? Pedi na quinta e saiu-me na sexta, isto é que é serviço expresso - que é para eu aprender a não negar à partida uma ciência que não conheço, como muito bem me avisou aqui há tempos a extraordinária Alcina Lameiras.
É certo que não recebi mensagem nenhuma, não fui contactado do além, mas saiu-me o Euromilhões: dois números e uma estrela, qualquer coisa como sete euros e trinta e nove cêntimos, que valem muitíssimo mais assim por extenso. Com o devido respeito, e se não for abuso, peço aos meus idos um maior empenho na pontaria para a próxima. Entretanto, vou pôr uma esmolinha nas alminhas e continuo à escuta. 
 
Perdi o Euromilhões por apenas 32 quilómetros
Preenchi e registei o Euromilhões, quinta-feira, na vila de Caminha. Vejo hoje nos jornais que o megajackpot acumulado de 190 milhões de euros saiu em Espanha, a um único apostador. Que diabo, podia ter tratado do assunto quando depois fui a Tui meter gasóleo...
 
Finalmente excêntrico
Saiu-me o Euromilhões. Vou alugar uma limusina e convidar os meus amigos para uma almoçarada aí pelo fim do mundo. Dezoito euros e quarenta e dois cêntimos darão para ir até onde?   
 
Chove-me dinheiro
"Nunca me tinha acontecido. Estou atolado em dívidas. Ontem fiquei a dever doze cêntimos na padaria e hoje fiquei a dever cinquenta cêntimos na peixaria. Por outro lado, devo dois euros (um mais um) à latinha do Euromilhões, que é para o bacalhau do Natal. O meu nome na praça também deve andar pelas ruas da amargura. Estou desgraçado, não sei o que hei-de fazer à minha vida."
Isso do parágrafo anterior foi há um mês. Felizmente Deus é grande, tarda mas não falha, escreve direito por linhas tortas, está em toda a parte, tudo vê e tudo ouve, ouviu-me, olhou para mim, por mim, deu-me a mão, a mão do meu Senhor da Galileia, consegui recompor-me e tenho agora uma vida risonhamente desafogada. Só no passado fim-de-semana achei dinheiro três vezes: dois cêntimos na sexta-feira, dois cêntimos no sábado e um cêntimo no domingo. Evidentemente também me saiu o Euromilhões: quatro euros e noventa e oito. Vou trocar de carro. 

Prioridades
O amor é muito lindo. O jackpot do Euromilhões é muito mais. 
 
P.S. - Notas publicadas originalmente entre 9 de Outubro de 2011 e 26 Setembro de 2018, repetidas aqui sem respeito pela ordem cronológica. No dia 24 de Setembro de 1961 nasceu o Totobola, o primeiro jogo de apostas mútuas de Portugal.

Ali o rio, as casas em cascata, os barcos...

Foto Hernâni Von Doellinger

Os sonhos são como o algodão: hidrófilos

Ultimamente dá-me para sonhar com pessoas que já morreram. Pessoas de quem gosto - familiares e amigos, sobretudo amigos. Sou um simples, acho que são saudades. Mas dizem-me que não, que o assunto é muito mais complicado, especialistas em correntes de ar garantem-me que os sonhos querem dizer coisas, significam, e que não enganam. Como o algodão do Sonasol. Nos sonhos está lá tudo, e tudo acaba por bater certo. Limpinho.
Sonhar com pessoas amigas que já morreram, falar com elas no sonho, explicam-me que é o melhor que me podia acontecer. É o pré-aviso de que está aí a rebentar-me nas mãos uma fartura de boas notícias, um mar de felicidade e saúde como o aço para mim e para os meus. O que é preciso é estar atento aos recados que os defuntos da corda me querem segredar. Isto é a regra geral, científica, embora possa parecer o horóscopo.
Não sei se esta tão conveniente interpretação dos sonhos com mortos também vale para Portugal e para vivos chamados Hernâni Von Doellinger naturais de Fafe e residentes em Matosinhos-sur-Mer. Pela miséria que me tem saído na rifa nos últimos tempos, suspeito que não, mas cá fico à espera de melhores dias.
Tenho alguma pressa, confesso, porque se uma coisa sei de certeza é que os sonhos padecem de prazo de validade. Um gajo deita-se uma noite moço e convencido de que os sonhos molhados até são um acontecimento, vá lá, engraçaaaaado..., e acorda de manhã ancião e alagado em mijo derivado à incontinência urinária. A vida é tão breve, não foi?
Entretanto, gostaria de aproveitar a oportunidade para comunicar aos meus sonhos que, uma vez que desdenho a Raspadinha, o que me convinha mesmo era o Euromilhões. O jackpot do jackpot, se fazem favor. Agora vou dormir e passo à escuta.

Por falar nisso: sonhar com algodão dizem que é muito bom para a saúde e que traz uma vida cheia de dinheiro e de felicidade. Bem empregue. É preciso ser-se mesmo muito desgraçado para sonhar com algodão. Se ainda fosse com merda...

P.S. - Publicado originalmente no dia 11 de Setembro de 2014. No dia 24 de Setembro de 1961 nasceu o Totobola, o primeiro jogo de apostas mútuas de Portugal.

E assim sucessivamente

Foto Hernâni Von Doellinger

Dumas e doutras

Da fama pelo menos não se livrava. Sobre o grande escritor francês, constava que era Alexandre Dumas... e doutras.

Também faço isto muito bem 499

Foto Hernâni Von Doellinger

Microcontos & outras miudezas 225

Mais vale fracassar do que sucessar
Não conseguia lidar com a pressão do sucesso. Álcool, drogas, depressão, tentativas de suicídio. Com a pressão do fracasso lidava ele muito bem.

Foi um ai que lhe deu
Partiu como quem parte uma perna. Isto é: de repente. E doeu.

As doenças têm dias
Três dias seguidos e assinalados. Dia da enxaqueca, dia da sépsis e dia da dermatite atópica. É-me conveniente assim. Uma de cada vez, cá me vou aguentando...

Preservativa 
Foi Dia Mundial do Preservativo Feminino. Isto é: da Preservativa.
 
Era um mimo 
Dava gosto vê-lo. Belo, perfeito, maravilhoso, gentil, delicado, gracioso. Um mimo! Fazia lembrar o Marcel Marceau...
 
Guerra das Rosas
Lá no bairro diziam que era a Guerra das Rosas. A Rosa Maria e a Rosa Beatriz sempre à bulha por causa do Anacleto Lingrinhas.