segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Francisco José Tenreiro 2

Ciclo do álcool

1
Quando seu Silva Costa
Chegou na ilha
Trouxe uma garrafa de aguardente
Para o primeiro comércio.

A terra era tão vasta
Havia tanto calor
Que a água
Parecia não ter potência
Para acalmar a sede da sua garganta.

Seu Silva Costa
Bebeu metade...

E sua garganta ganhou palavra
Para o primeiro comércio.


2
A lua batendo nos palmares
Tem carícias de sonho
Nos olhos de Sam Marinha.
Silêncio!
O mar batendo nas rochas

É o eco da ilha.
Silêncio!
Lá no longe
Soluçam as cubatas
Batidas dum luar sem sonho.
Silêncio!
No canto da rua
Os brancos estão fazendo negócio
A golpes de champagne!


3
Mãe Negra contou:
"eu disse:
filhinho
beba isso coisa não...
Filhinho riu tanto tanto!..."

Nhá Rita calou-se.
Só os olhos e as rugas
Estremeceram um sorriso longínquo.

- E depois Mãe Negra?

"Oh!
Filhinho
Entrou no vinhateiro
Vinhateiro entrou nele..."

Os olhos de nhá Rita
Estão avermelhando de tristeza.

"Hum!
Filhinho
Ficou esquecendo sua mãe!..."


"Ilha de Nome Santo", Francisco José Tenreiro

(Francisco José Tenreiro nasceu no dia 20 de Janeiro de 1921. Morreu em 1963.)

Sem comentários:

Publicar um comentário