quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Mário Ypiranga Monteiro 2

- Já se calaram todas as cigarras
No bucolismo dessas horas quedas.
Não vibram mais orquestrações bizarras
Pelo silêncio bom das alamedas.

Amo-a demais. Às vezes sua ausência
a saudade deplora e eis-me a chamá-la
para que traga azul a esta querência
e um pouquinho de sol à minha sala.

Vem dela a minha glória e é dela o cheiro
De mocidade, que pelo ar se estrela.
Duvido que haja rosa em seu canteiro
Que cheire tanto como a carne dela.

"Dona Ausente", Mário Ypiranga Monteiro

(Mário Ypiranga Monteiro nasceu no dia 23 de Janeiro de 1909. Morreu em 2004.)

Sem comentários:

Publicar um comentário