quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Vitorino Nemésio 6

Tenho uma saudade tão braba

Tenho uma saudade tão braba
Da ilha onde já não moro,
Que em velho só bebo a baba
Do pouco pranto que choro.

Os meus parentes, com dó,
Bem que me querem levar,
Mas talvez que nem meu pó
Mereça a Deus lá ficar.

Enfim, só Nosso Senhor
Há-de decidir se posso
Morrer lá com esta dor,
A meio de um Padre Nosso.

Quando se diz "Seja feita"
Eu sentirei na garganta
A mão da Morte, direita
A este peito, que ainda canta.


"Caderno de Caligraphia e Outros Poemas a Marga", Vitorino Nemésio

(Vitorino Nemésio nasceu no dia 19 de Dezembro de 1901. Morreu em 1978.)

Sem comentários:

Publicar um comentário