terça-feira, 18 de setembro de 2018

Maria Judite de Carvalho

Viu vagamente pessoas, as que ali tinham estado e outras, e elas apareciam-lhe soltas, nem uma raiz, nem uma aura que as prolongasse até si, que a aflorasse sequer. Tão subitamente estranhas, as pessoas; manequins falantes, passeando como manequins, e ela acabando por ser um deles, embora imperfeito.

"Seta Despedida", Maria Judite de Carvalho

(Maria Judite de Carvalho nasceu no dia 18 de Setembro de 1921. Morreu em 1998.)

Sem comentários:

Publicar um comentário