quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Microcontos & outras miudezas 100

O grande emprenhador
Não desfazendo, emprenhava sobretudo pelos ouvidos.

Na ponta da língua
"Puta que pariu", desabafou a visita. "Sala 5, cama 3", indicou a auxiliar hospitalar.

Está dito!
É o que eu estou farto de dizer.

Está dito!
Diz que tal.

O grande prestidigitador
Era um mágico extraordinário: em vez de coelhos da cartola, tirava macacos do nariz.

Luto
Todas as noites dava o corpo ao Manifesto. Manifesto morreu, e ela nunca mais.

A minha sogra não dorme e acorda sobressaltada
À meia-noite ressonava. Às duas ressonava. Às três ressonava. Às quatro ressonava. Às seis ressonava. E às sete ressonava. Quando foi acordada, ai que susto!, para o pequeno-almoço fidalgo, na cama, cerca das oito, derivado a não incomodar, a minha sogra queixou-se de que não tinha pregado olho, esteve para morrer toda a noite. Evidentemente tenho de rever esta coisada da próstata, a minha próstata, ando a mijar vezes demais.

De mestre
"Pinocar ou pinoquiar?", perguntou o jovem mestrando em Carpintaria & Outras Artes Sexuais. "Depende", respondeu o velho professor de nariz adunco e face testicular.

Sem comentários:

Publicar um comentário