quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Felipe d'Oliveira 2

O clown

Sem apoio.
Solto na expectativa impaciente do irresistível.
Bloqueado pela ameaça circular dos cobradores
de jocoso, dos famintos de angústia grotesca.
Sem trapézio, como o trapezista.
Sem alteres, como o hércules.
Sem o aparato dos músculos, como o acrobata.
Sem refúgio e sem armas, desafia o risco manejando apenas
a desarticulação do jeito humano,
a deformação da máscara idiota onde a
graça estoura como um pontapé nas nádegas.

Sua ginástica tem de ser no vazio
sobre os fios frágeis do fracasso e do ridículo.
Dentro da roupa larga,
o corpo desengonçado
chacoalha cores, tropeça, achata-se sobre a
serragem do picadeiro.

A bofetada do partner
faz desabafar o delírio
sobre o tombo de costas (perfeito)
com estalos fingidos de espinha partida e
occipital rachado.

O aplauso voraz, em volta, o constringe
como uma goela de carnívoro.


"Lanterna Verde", Felipe d'Oliveira

(Felipe d'Oliveira nasceu no dia 23 de Agsoto de 1891. Morreu em 1933.)

Sem comentários:

Publicar um comentário