sexta-feira, 30 de março de 2018

Adelino Fontoura 4

Atração e repulsa

Eu nada mais sonhava nem queria
Que de ti não viesse, ou não falasse;
E como a ti te amei, que alguém te amasse,
Coisa incrível até me parecia.

Uma estrela mais lúcida eu não via
Que nesta vida os passos me guiasse,
E tinha fé, cuidando que encontrasse,
Após tanta amargura, uma alegria.

Mas tão cedo extinguiste este risonho,
Este encantado e deleitoso engano,
Que o bem que achar supus, já não suponho.

Vejo, enfim, que és um peito desumano;
Se fui ter junto a ti de sonho em sonho,
Voltei de desengano em desengano. 

Adelino Fontoura

(Adelino Fontoura nasceu no dia 30 de Março de 1859. Morreu em 1884.)  

Sem comentários:

Publicar um comentário