quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Euclides Bandeira 2

Ausência

Recresce, arpoante e funda, a saudade cruel.
Com ela foi meu sol, partiu minha risada!
Cada dia que passa é uma gota de fel
que se me infiltra na alma e a põe envenenada.

Mais larga a ausência, mais a lembrança dourada
resplandece, espertando emoções em tropel:
o riso, o gesto, a voz; boca a boca soldada,
os seus beijos febris que eram de fogo e mel…

Claro perfil de luz, louro encanto irradiando
o revérbero astral de flavescente véu
que dourava o meu sonho e o verso decadente.

Onde estás? interrogo. E a mágoa cresce quando
sinto tudo em silêncio em torno... O próprio céu
misterioso e azul, como os olhos da ausente…

Euclides Bandeira 

(Euclides Bandeira nasceu no dia 22 de Novembro de 1876. Morreu em 1947.)

Sem comentários:

Publicar um comentário