quarta-feira, 29 de novembro de 2017

António Ferreira 2

Os dias conto, e cada hora e momento 

Os dias conto, e cada hora e momento
que alongando-me vou dos meus amores.
Nas árvores, nas pedras, ervas, flores
parece que acho mágoa, e sentimento.


As aves que no ar voam, o sol e o vento,
montes, rios e gados e pastores,
as estradas e os campos mostram as dores
da minha saudade e apartamento.


E quanto me era lá doce e suave,
mais triste e duro amor cá mo apresenta
a que entreguei da minha vida a chave.


Em lágrimas força é que as faces lave,
ou que não sinta a dor que na torment
a
memória da bonança faz mais grave.

"Poemas Lusitanos", António Ferreira

(António Ferreira nasceu em 1528. Morreu no dia 29 de Novembro de 1569.)

Sem comentários:

Publicar um comentário