terça-feira, 24 de outubro de 2017

Raimundo Monteiro 2

Eu
 
Meus olhos tristes não choram
Mas a minha alma padece...
O orgulho que me enaltece
É como o orgulho de um rei!
Mágoas, que os outros deploram,
Dão-me coragem sem termo...
O meu espírito enfermo
Às tempestades lancei.
 
Árvore seca do monte
Ao sol e às chuvas morrendo,
Num desespero tremendo
Minore a insânia da dor...
Entre horizonte e horizonte,
Hirto e fatal agonizo...
Enquanto, longe, diviso
A nuvem leve do amor.
 
Nuvem de gaze tão leve
Que se desfaz na distância...
Como a azulada inconstância
Das ondas que vêm e vão!
E a fantasia se atreve
A colori-la com as tintas
Tão rubramente distintas
Da minha amarga paixão!
 
De tédio sofro e esmoreço
Como um beduíno sem rumo...
E em vãos temores consumo
O meu  orgulho de um rei!
Mas, sempre audaz, reconheço
Que não fiz mal quando a vida,
Numa arrogância atrevida,
Às tempestades lancei! 

Raimundo Monteiro

(Raimundo Monteiro nasceu no dia 24 de Outubro de 1882. Morreu em 1932.)

Sem comentários:

Publicar um comentário