quinta-feira, 29 de junho de 2017

Leo Lynce

Falando ao coração

Não creias nela, coração, não creias nela.
Esquece a meiga voz, o doce encanto
Dessa mulher que esconde, assim tão bela,
A falsidade num doirado manto.

Não creias nessa gota que lhe estrela
A face, desconfia desse pranto.
Toma cuidado e foge da procela
A que te arrasta da sereia o canto.

Essa mulher te foi perjura e ingrata,
Esquece-a, coração, sê mais altivo
Ante a beleza que te avilta e mata;

Assim falei ao coração covarde;
Mas ele, o pobre, o mísero cativo,
Sentidamente respondeu-me: - É tarde.

"Poesia Quase Completa", Leo Lynce

(Cyllenêo Marques de Araujo Valle, que assinava Leo Lynce, nasceu no dia 29 de Abril de 1884. Morreu em 1954.)

Sem comentários:

Enviar um comentário