domingo, 18 de junho de 2017

Em defeso do futebol 13

Foto Hernâni Von Doellinger

Tácticas
- Olhe que eu meto-lhe um processo!
- Defensivo ou ofensivo?
- De transição...

De volta ao football
As primeiras cadeiras que apareceram nos nossos campos de futebol chamavam-se lugares cativos. Um luxo para uns poucos, normalmente circunscrito a uma zona reduzida da bancada central e que garantia ao associado aderente o domínio soberano sobre cerca de 40 centímetros de estádio. Aquele espaço era dele, estava numerado e devidamente identificado, era intransmissível e motivo de muita discussão e alguns cachaços por causa das ocupações selvagens.
A cadeira de plástico era paga por cada um por cima da quota normal de sócio de bancada e por isso, por uma questão de poupança, ninguém se atrevia a arrancá-la para a atirar à cabeça do árbitro ou dos adeptos da outra equipa. Bons tempos...
Mas os portuguesíssimos lugares cativos, assim chamados, acabaram. Agora há o Dragon Seat, o Red Pass e a Gamebox. Quê? Eu repito: o Dragon Seat, o Red Pass e a Gamebox. E isto é o quê? Manobra de marketing? Enfim a modernidade? Não, nada disso. São os nossos três grandes - FC Porto, Benfica e Sporting - a andarem às arrecuas. Realmente o futebol já foi em inglês, mas há muito que se naturalizou: todavia, parece que tornámos ao tempo dos backs, dos liners e do offside...

Sem comentários:

Publicar um comentário