sábado, 22 de outubro de 2016

José Duro 4

Dor suprema

Onde quer que ponho os olhos contristados
- Costumei-me a ver o mal em toda a parte -
Não encontro nada que não vá magoar-te,
Ó minha alma cega, irmã dos entrevados.

Sexta-feira santa cheia de cuidados,
Livro de Ezequiel. - Vontade de chorar-te...
E não ter um pranto, um só, para lavar-te
Das manchas do "Fel", filhas de mil pecados!...

Ai do que não chora porque se esqueceu
Como há-de chamar as lágrimas aos olhos
Na hora amargurada em que precisa delas!

Mas é bem mais triste aquele que olha o céu
Em busca de Deus, que o livre dos abrolhos,
E só acha a luz das pálidas estrelas...


"Fel", José Duro

(José Duro nasceu no dia 22 de Outubro de 1875. Morreu em 1899.)

Sem comentários:

Publicar um comentário