sexta-feira, 22 de julho de 2016

E um grande tenkiu para ti também, pá

De manhã eu vou ao peixe. Cada vez mais de manhãzinha. E ontem de manhã, de manhãzinha, estava um camone numa das duas mesas de passeio de um daqueles pequenos cafés à beira da lota de Matosinhos. Vi que era camone à distância, por causa da enorme mochila que lhe descansava ao lado e do mapa na mão que ele olhava e revirava, e percebi logo que não me ia safar. Tenho cara de posto de turismo encerrado para obras, não é para me gabar, e eu que ia ao carapau, saiu-me o bife, se me permitem o chiste de carregar pela boca.
Que se passou? O camone viu-me sem mapa e também de mochila às costas (a verdade é esta, eu não sei andar sem mochila, parece que me desequilibro sem ela) e portanto achou que eu é que sabia. Perguntou-me então du iu spikinglixe? E eu respondi-lhe o que sempre respondo aos gringos que me interpelam em Portugal: e tu, sabes falar português?... 

P.S. - Sobre o mesmo assunto, praticamente, pode ler também "Nada se compara ao poliglotismo português".

Sem comentários:

Publicar um comentário