sábado, 16 de abril de 2016

O com-abrigo e o sem-abrigo

O com-abrigo abeirou-se misericordioso do sem-abrigo, levantou-lhe o cobertor que lhe defendia a cara e disse "Bom dia", o sem-abrigo respondeu estremunhado "Boa noite", passava um pouco do meio-dia e, pensei eu, era melhor princípio de conversa se se tivessem entendido acerca de "Boa tarde".
Via-se que o com-abrigo tinha tarimba, tirei-lhe logo a pinta, era um bom-samaritano nas horas vagas e por conta própria. 
- Então, companheiro, como é que vai isso? - encarrilou o com-abrigo.
- Ia bem, obrigado, mas esteja quieto no cobertor -, resmungou o sem-abrigo, agarrando-se com unhas e dentes ao calorzinho que lhe roubavam.
- É assim mesmo, companheiro, positivismo acima de tudo, nada de pensamentos suicidas - acrescentou o com-abrigo.
- Pensamentos quê? - interrogou o sem-abrigo.
- Suicidas, companheiro, pensamentos suicidas, vontade de se matar... - explicou o com-abrigo.
- Eu conheço-o de algum lado? - inquiriu o sem-abrigo.
- Não nos conhecemos de lado nenhum, companheiro, mas estou aqui para o ajudar, limpe a cabeça de pensamentos suicidas... - disse o com-abrigo.
- Deixe então aí um ou dois euros, para um copinho de vinho - pediu o sem-abrigo.
- O importante é afastar os pensamentos suicidas, companheiro, não se deixe levar por eles... - disse o com-abrigo.
- E o eurito?... - quis saber o sem-abrigo.
- Os pensamentos suicidas podem ser-lhe fatais, companheiro, é preciso resistir... - disse o com-abrigo.
- Ouça lá - rebentou o sem-abrigo -, porque é que só fala dessa merda, dos pensamentos suicidas? Eu não quero morrer, quero dormir, caralho! Morra você, se gosta tanto! E, já agora, vá chamar companheiro à puta que o pariu...

Palavra de honra se não foi mesmo assim, ou quase exactamente assim.

                                                                                       Foto Hernâni Von Doellinger

Sem comentários:

Publicar um comentário