sábado, 30 de abril de 2016

Paulo Varela Gomes (1952-2016)

As ilhas, sussurra para si mesma Anna W. com a alma cheia de culpa e de impotência, as ilhas são os lugares dos obsessivos e dos obstinados, sítios onde voltam a germinar manias mortas como líquenes em pátios onde não bate o sol. Nas ilhas há horizonte mas não há saída.

"Passos Perdidos", Paulo Varela Gomes

A ver navios 79

                                                                                                                Foto Hernâni Von Doellinger

Enrique Alvarellos

Meus avós foron de Ourense.
Meus pais son pontevedreses.
Eu xa nacín na Coruña
e a Lugo fun... e caseime...
Se podo ser máis galego que
mo diga a miña xente.

"Cen Anacos", Enrique Alvarellos

(Enrique Alvarellos nasceu no dia 30 de Abril de 1931. Morreu em 2004.)

Carlos Lacerda

A rua descia para os dois lados. Correndo, tomou o lado contrário ao habitual. Dobrando esquinas desconhecidas, com um galope no coração, foi parar numa praça enorme. Aí sentiu o primeiro vento da aventura e da liberdade fustigando o rosto. Sentia-se herói, sem exagero nenhum. Um bonde, lento, pesado, rinxando, o trouxe à cidade. Foi ver os cartazes dos cinemas, as vitrinas das lojas, as caras dos passantes. Visitou uma exposição de automóveis, donde levou prospectos com condições de comprar uma soberba limusine que nem em sonhos o tentava. Era apenas o prazer dos prospectos.

"21 Contos Inéditos de Carlos Lacerda", Carlos Lacerda

(Carlos Lacerda nasceu no dia 30 de Abril de 1914. Morreu em 1977.)

Caminho 103

                                                                                                                Foto Hernâni Von Doellinger

sexta-feira, 29 de abril de 2016

As minhas frases favoritas 5

Há pessoas que francamente...

A ver navios 78

                                                                                      Foto Hernâni Von Doellinger

Jaime Cortesão 4

O casamento da Franga

Diz o Galo
para a Galinha:
Quando casaremos
a nossa filhinha?
Casaremos
Ou não casaremos:
Agora o noivo
Donde o arranjaremos?

Salta o Gato
Do seu mural:
"Eu estou pronto
Para me ir casar."
- Agora o noivo
já nós cá temos;
Agora a madrinha
Donde arranjaremos?

Salta a Cabra
Da sua casinha:
"Eu estou pronta
Pra ser a madrinha."
- Agora a madrinha
já nós cá temos;
Agora o padrinho
Donde o arranjaremos?

Salta o Rato
Do seu buraquinho:
"Eu estou pronto
Pra ser o padrinho."
- Agora padrinho
Já nós cá temos;
Agora o padre
Donde o arranjaremos?

Salta o escaravelho
Do seu escaravelhar:
"Eu estou pronto
Para os ir casar."
- Agora o padre
Já nós cá temos;
Agora o chibo

Donde o arranjaremos?

Salta o Lobo
Do seu lobal:
"Eu estou pronto
Prò chibo dar."
Chibo já nós cá temos;
Agora o vinho
Donde o arranjaremos?

Salta o Mosquito

Do seu mosquital:
"Eu estou pronto
Prò vinho dar."
- Agora o vinho
Já nós cá temos;
Agora o trigo
Donde o arranjaremos?

Salta o Pardal,
Do seu ninho estar:
"Eu Estou pronto
Pra trigo dar."

Acabou-se a boda
Com tal desatino;
Veio o noivo
Engoliu o padrinho.


Jaime Cortesão
 
(Jaime Cortesão nasceu no dia 29 de Abril de 1884.  Morreu em 1960.)

Caminho 102

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

João Penha 2

Sermão na montanha

Frei Bernardo, de pé sobre uma dorna,
Empina a canjirão, que o desafia,
E sobre o povo, que o admira, entorna
O mar enorme da oratória pia.

Prega, sinistra: textos mil aponta;
Aos abismos descendo do profundo,
Agarra Belzebu por uma ponta
E com ele verbera o dorso ao mundo.

Chega à peroração, que a povo chora:
Vem ao trono buscá-lo a confraria;
Lança a benção final e, sem demora,
Empina o canjirão que o desafia.


"Viagem por Terra ao País dos Sonhos", João Penha

(João Penha nasceu no dia 29 de Abril de 1838. Morreu em 1919.)

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Sardinhamente falando (em honra da Dona Dina)


Foi um mau ano. Em tempo de balanço, há que dizer com toda a frontalidade que as sardinhas, em 2011, foram uma merda. Eu ainda tive a sorte de as apanhar três ou quatro vezes mais ou menos ajeitadas (uma dessas vezes, felizmente, pelo São João), mas de resto foi um annus horribilis sardinhamente falando. Nem durante os famosos meses sem "r" as sardinhas assadas alcançaram o patamar de excelência exigido pelo apreciador, apresentando-se, mesmo nessa época, tendencialmente secas e desenxabidas, como se fossem o Cavaco Silva. Uma desgraça, portanto.
É. A sabedoria popular ensina, e bem, que Maio, Junho, Julho e Agosto são os melhores meses para comer sardinha assada. É quando ela pinga no pão. Mas a Dona Dina, que Deus tem, dizia-me que de Junho a Dezembro eu podia comer as suas sardinhas à confiança, e eu comia e ela tinha razão. A Dona Dina era uma pessoa muito boa e a melhor assadeira de sardinhas do mundo. As sardinhas assadas da Dona Dina eram não mais do que douradas e traziam sempre o mar dentro.

Ontem, na peixaria, uma senhora perguntava se "As sardinhas..." e foi logo interrompida pela peixeira, que lhe respondeu "Estão muito boas, as sardinhas ainda estão boas". É claro que não estão, e logo neste ano de colheita medíocre, mas a peixeira tem que fazer pela vida. Eu trouxe biqueirão.
Já experimentaram, decerto já, tirar a cabeça aos biqueirões, abri-los pela barriga retirando-lhes a espinha, que sai muito facilmente, temperar estas "costeletas" com sal, pimenta preta moída na hora, limão e um quase-nada de alho picado, e deixá-los neste preparo aí umas quatro horas, duas para cada lado? E depois passá-los por ovo e pão ralado e fritá-los sem deixar queimar? E fazer entretanto um arrozinho de bacalhau com trocinhos de tronchuda? Arroz carolino, já se sabe, que se transforma com o peixinho num verdadeiro manjar de deuses. Mas decerto já experimentaram.
Dica: as espinhas saem ainda mais facilmente se os biqueirões forem do dia anterior. Mas, para mim, peixe ou é do dia ou já não é peixe. Em miúdo, muito gostava eu de ouvir às peixeiras de Fafe o pregão "É da biba, olha a bibinha", e ficava-se logo também a saber que as sardinhas nesse dia seriam mais caras. Mas eram "como prata". Hoje tenho a sorte de morar em Matosinhos, a dois passos do porto de pesca e da lota. O mais das vezes trago para casa peixe vivo, literalmente vivo, que os pescadores dos barcos pequenos estão a acabar de entregar. O que me levanta alguns problemas, operacionais e... de consciência. Um dia tive com uma solha uma luta cujos pormenores não conto nem quero lembrar. Ganhei, mas portei-me mal. E só à mesa é que me perdoei.

(Texto escrito e publicado no dia 23 de Dezembro de 2011. Junto-lhe hoje uma fotografia da Dona Dina que aqui atrasado encontrei por acaso num novo restaurante de familiares da querida e saudosa senhora, também na Apúlia. Já nos livrámos do Cavaco, graças a Deus, mas, quanto ao demais, nada mudou nos últimos cinco anos em Portugal: as sardinhas continuam substantivamente fracativas e nunca mais apareceu ninguém que lhes saiba dar as voltas e a volta como a Dona Dina sabia. A verdade é esta: a Dona Dina faz-nos falta.)

A ver navios 77

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

Xosé Iglesias Roura

Tras do arado

¡Outra volta máis! - Volve, Gallardo;
tente ó rego, Cardón.
Nobres almallos meus, case ampeades
con tan brava labor.
Hanvos dar da ferraña que fresquiña
colleron para vós.
Fire abafante o Sol, a terra é un forno.
non se atura a calor.
Se é que o pan me dá - Dios mo perdoe
¡ben ganadiño foi...!


Mais aínda outra volta. - Za, Gallardo;
vente ó rego, Cardón.
Parésceme que acoro, atafegado
coa poeira e o suor.
Hei de fenderte, terra; has de ser miña;
hei de faguerte pó;
hasme dar, das entrañas, pan pros fillos...
Mentras na vida estou,
hei de sacarte os zumes canto poida,
¡que xa mos sacarás a min despois!


Xosé Iglesias Roura, "A Nosa Terra"

(Xosé Iglesias Roura nasceu no dia 28 de Abril de 1879. Morreu em 1930.)

Caminho 101

                                                                                                                Foto Hernâni Von Doellinger

Alberto de Oliveira 3

Cheiro de espádua

Quando a valsa acabou, veio à janela,
Sentou-se. O leque abriu. Sorria e arfava,
Eu, viração da noite, a essa hora entrava
E estaquei, vendo-a decotada e bela.


Eram os ombros, era a espádua, aquela
Carne rosada um mimo! A arder na lava
De improvisa paixão, eu, que a beijava,
Hauri sequiosa toda a essência dela!


Deixei-a, porque a vi mais tarde, oh! ciúme!
Sair velada da mantilha. A esteira
Sigo, até que a perdi, de seu perfume.


E agora, que se foi, lembrando-a ainda,
Sinto que, à luz do luar nas folhas, cheira
Este ar da noite àquela espádua linda!


"Poesias, 3.ª série", Alberto de Oliveira

(Alberto de Oliveira nasceu no dia 28 de Abril de 1857. Morreu em 1937.)

Lugares-(in)comuns 160

                                                                                                                Foto Hernâni Von Doellinger

As minhas frases favoritas 4

Temos de ser uns para os outros...

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Fafe apresenta Ciclo de Cantautores 2016


A segunda edição do projecto 48/20 - Ciclo de Cantautores é apresentada amanhã em Fafe, pelas 21h30, com um concerto da britânica Kristin McClement. A iniciativa, que se prolonga Verão adiante, contará ainda, numa primeira fase, com a participação de Márcia e Samuel Úria, em dueto, B Fachada e Éme, o dinamarquês Il Tempo Gigante e a dupla brasileira Bárbara Eugénia e Andreia Dias. Mais informação, aqui.

Diz o povo e com razão (recapitulação e 2 extras)

Ménage à trois
- Das duas, uma - disse o malandro, cansado de ménages à trois.

A realidade é inexorável, sobretudo se for fresca
- Mais vale tarde que nunca - disse o pragmático. Já passava do meio-dia e não havia volta a dar.

As pombinhas da catrina
As pombinhas da catrina andaram de mão em mão. Acabaram por casar, é certo, mas nunca mais se livraram da fama.

A gota de água (quando cai é para todos)
- Agora é que foi a gota de água - disse o brincalhão, pousando desajeitadamente o copo vazio do seu décimo terceiro uísque. Posto isto, vomitou com assinalável pertinácia em cima do excelentíssimo público.

Evasão
- Mais vale só do que mal acompanhado - disse o recluso n.º 14.112. E fugiu.

Justiça
- Mais vale uma pomba na mão do que duas a voar - defendeu-se o pedófilo, em tribunal. Mandaram-no para casa.

Puxem pelo Saci-Pererê e depois queixem-se 
Querem ver o Saci-Pererê completamente passado? É mandá-lo ir num pé e vir no outro. Ui!, leva a mal, ninguém o atura...

O bem-mandado
Mandaram-no abaixo de Braga e ele foi. Há dois anos e meio que mora em Vila Nova de Famalicão.

Os antigos sabiam tudo e morriam muito
Laranja. "De manhã ouro, à tarde prata e à noite mata". Desde os meus dezassete, dezoito anos que tento regularmente a suicídio antes de me deitar. Às vezes também com tangerinas.

Pragmatismo à portuguesa
Tantas vezes vai o cântaro à fonte, que qualquer dia tem de se meter água da companhia em casa.

Burro velho não toma andadura
- Desculpa-me que te diga, mas sempre foste infantil. Toda a tua vida te portaste como uma criança. Também não será agora, aos 93 anos, que te vais armar em homenzinho, pois não?...

Breve ensaio de lesbofobia
Maria vai com as outras. Depois que não se queixe das más-línguas.

Vendo pontos de vista para o mar
Eu tenho uma certa maneira de ver as coisas, isso é verdade. Mas não tenho um prisma, uma óptica, sequer um ângulo que se diga. Tivesse-os eu, e vendia-os.

A felicidade agarra-se pelos tomates
Jasmina era uma mulher feliz. Fazia o que queria do marido. Em casa mandava ela, e mandava nele também. O homem gostava assim. As vizinhas e amigas de Jasmina - à qual, pelas costas, chamavam Felismina - perguntavam-se, roídas de inveja: "Como é que ela consegue, como é que ela consegue?!..."
E um dia Jasmina explicou: "Trago-o bem preso pelos tomates, um bocadinho mais acima..."


Frigorífico
De boas intenções está o frigorífico cheio. Depois, evidentemente, é preciso saber cozinhar.

Tomai e comei todos (é um bocado relativo)
Então, depois de dar graças a Deus, o pai tomou o pão, partiu-o e distribuiu-o por metade dos seus filhos, dizendo: Laide, Ruca, ide comer a casa da avó, que a broa não chega para todos. 

O importante é a honradez, mas depende
- O mais importante, meu querido filho, é a honradez. Podes ser pobre, mas sempre honesto. Pobrezinho mas honrado, como diz o nosso povo nos seus mansinhos diminutivos. Sobretudo, agora a sério, nunca faças nada que te envergonhe quando te vires ao espelho.
- E se for quando não me vir ao espelho, meu amado pai?...
- Nesse caso estás à vontade: mete a mão quanto mais possas, que és meu filho mas também és filho de Deus.


Os requisitos necessários
Passou o dia inteiro a reunir os requisitos necessários. Chegou a casa e contou-os: faltavam-lhe quatro. É de um homem desesperar...

Aberração da natureza
Tinha o coração ao pé da boca. Era uma aberração da natureza, uma atracção de feira.

Saia mais um galo
Freguês assíduo das bifanas da Conga e produtos correlativos nomeadamente codornizes, tinha uma filosofia de vida a que nunca se exima, por mais adversas que fossem as condições. E essa filosofia essencial era - Mais vale um pássaro no prato do que duas mãos a voar. E mais dois fininhos, se faz favor.

Caminho 100

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

As minhas frases favoritas 3

Cada um é para o que nasce...

Lugares-comuns 336

                                                                                                                                           Foto Hernâni Von Doellinger

Era um homem muito antigo 4

Era um homem muito antigo e vivia agarrado a coisas que já não se usam. Vejam lá que ainda dizia obrigado quando o senhor empregado lhe servia o cafezinho e bagaço.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Estou mesmo a ver o filme 19

                                                                                      Foto Hernâni Von Doellinger

O pesado sacrifício - Guerra Colonial


"O pesado sacrifício - Guerra Colonial", palestra/debate com o jornalista Jaime Froufe Andrade, que foi alferes ranger em Moçambique e é autor do livro "Não sabes como vais morrer". Haverá música, na guitarra e na voz de Orlando Mesquita - o do Bando do Rei Pescador. Próxima sexta-feira, pelas 21 horas, no Clube Gondomarense, Rua Monte Crasto, n.º 19, Gondomar.

Caminho 99

                                                                                                                  Foto Hernâni Von Doellinger

Basta um raio de sol

Ui o que aí vai de mulheres grávidas, passeantes e orgulhosas. Será do abono? Será do tempo?

Senhor de Matosinhos 2016


A Festa do Senhor de Matosinhos está à porta. Serão as três semanas do costume, este ano de 6 a 29 de Maio. Mais informação aqui e programa aqui.

Vida de cão 139

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Shakespeare vs. Camões

O inglês Guilherme Shakespeare escreveu tubi ornotubi detesdaquestcham. Ornotubi. O nosso Luís Vaz escreveu, e certamente antes do bife, al maminha gentil quetepartiste. Maminha. Para mim, Shakespeare 0 - Camões 1.

(Texto escrito e publicado originalmente no dia 1 de Novembro de 2014. Continuo a gostar muito mais de maminha, e evidentemente não estou a falar de carne para churrasco. Na altura, um leitor anónimo mas de óbvia costela anglófila comentou que "Shakespeare é maior que Camões". Eu respondi: "Mas Hrtdfsgnkgetrfdcçygetñtecho é maior do que Shakespeare". Mantenho.)  

A ver navios 76

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

José Ángel Valente 2

Escoita, mai, voltei.

Estou no adro
onde aquel día o grande corpo
de meu avó ficou.
Inda oio o pranto.


Voltei. Nunca partira.

Alongarme somente foi o xeito
de ficar para sempre.


"Cántigas de Alén", José Ángel Valente 

(José Ángel Valente nasceu no dia 25 de Abril de 1919. Morreu em 2000.)

Caminho 98

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

domingo, 24 de abril de 2016

Andante con moto

                                                                                                                                      Foto Hernâni Von Doellinger

O segundo andamento da 5.ª Sinfonia de Beethoven, dita Sinfonia do Destino, ou, só para complicar, melhor chamada Sinfonia n.º 5 em Dó menor Op. 67, deve ser tocado em Andante con moto. Isto é, pede-se um ritmo lento, como se fôssemos nós apenas a caminhar, naturalmente, um passo e depois outro, mas com o cuidado de não adormercermos de pé. Andante, sim, porém con moto. E isto é apenas um por exemplo.
Por outro lado, se o enxame de tuk tuk (ou auto-riquexós) que, uber dissimulados, tomaram conta das ruas do Porto e cidades adjacentes deixasse de ser só para turistas e fosse, não sei como, integrado no sistema de transportes públicos da chamada Área Metropolitana, e que jeito que daria, já tínhamos um nome para a coisa: Andante con moto, exactamente. Mas isto é apenas outro por exemplo dos meus.

P.S. - Sim, a Área Metropolitana, como todas as áreas, grandes e pequenas, localiza-se obviamente no último terço do terreno.

sábado, 23 de abril de 2016

Nem a Cervantes lembraria

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

Era um homem muito antigo 3

Era um homem muito antigo e vivia agarrado a coisas que já não se usam. Vejam lá que tinha pêlos nas orelhas e limpava o nariz com um lenço de pano...

A ver navios 75

                                                                                      Foto Hernâni Von Doellinger

Jorge de Lima 2

Anjo daltônico 

Tempo da infância, cinza de borralho,
tempo esfumado sobre vila e rio
e tumba e cal e coisas que eu não valho,
cobre isso tudo em que me denuncio.


Há também essa face que sumiu
e o espelho triste e o rei desse baralho.
Ponho as cartas na mesa. Jogo frio.
Veste esse rei um manto de espantalho.


Era daltônico o anjo que o coseu,
e se era anjo, senhores, não se sabe,
que muita coisa a um anjo se assemelha.


Esses trapos azuis, olhai, sou eu.
Se vós não os vedes, culpa não me cabe
de andar vestido em túnica vermelha.


Jorge de Lima

(Jorge de Lima nasceu no dia 23 de Abril de 1893. Morreu em 1953.)

Lugares-comuns 335

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

Valentín Paz-Andrade 4

Non escoitedes 

Non escoitedes voz onde non trema
o vidro do seu tempo,
mainamente,
como na pel das aguas treme a brisa
tinguida no brancor dos amieiros.

Non escoitedes voz na que se esquezan
as raíces do barro que nos deu
feitío de criaturas,
amor pra repartir cos semellantes
quentor do noso sangue.

Non escoitedes ecos en retorno
dos paredóns da morte.
A vida virá sempre a sucos novos
pra se facer fecunda
no gran de cada espiga. 

"Cen Chaves de Sombra", Valentín Paz-Andrade 

(Valentín Paz-Andrade nasceu no dia 23 de Abril de 1898. Morreu em 1987.)

Caminho 97

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Gosto de palavras que são o que não parecem

Vou repetir-me, mas a vida é isto, a vida é feita de repetições. Ao contrário do que as pessoas em geral cuidam, quando as repetições acabam é que é uma chatice: fecham-nos os olhos à força, ajeitam-nos a boca com cola de colar cientistas ao tecto, vestem-nos um velho fato comido pela traça, põem-nos um terço nas mãos, acendem quatro velas, dizem que fomos muito boa pessoa, e realmente nunca mais. Portanto, vou repetir-me.
Eu não sei se já tinha dito que vou repetir-me, mas é essa, com efeito, a minha intenção: vou repetir-me. Gosto de nomes, gosto do falar antigo, gosto das palavras. Já aqui contei, gosto de palavras com piada fina, palavras como parreca, como esbraguilhado, como cachicha. Mas ainda gosto mais de palavras desalinhadas, subversivas, fora-da-lei. Matreiras. Aprecio especialmente as palavras que viram a norma de pernas para o ar e as abusam, como, por exemplo, e estas são cá das minhas, solhão, pontão ou estradão.
Cá está. Solhão, pontão e estradão, palavras rematadas com o famoso sufixo "ão", unanimemente considerado pelos mais reputados gramáticos como um dos sufixos por excelência para a formação de aumentativos. E, no entanto, para quem sabe das coisas, solhão é uma espécie de solha mais pequena, pontão é uma pontinha sobre um ribeiro e estradão é uma estrada estreita e geralmente em terra esburacada, conveniente para ralis. São excepções que confirmam a regra? Não, pelo contrário: são palavras que querem que as regras se fodam.

P.S. - Trouxe ontem para casa três solhões que me saíram uma categoria. Este texto é por isso.

A ver navios 74

                                                                                       Foto Hernâni Von Doellinger

As minhas frases favoritas 2

Vou-me lá, que são que horas...

Lugares-comuns 334

                                                                                      Foto Hernâni Von Doellinger

Victoriano Taibo 2

Ao comén era só Deus, xurdio e podente, a demorar na súa mesma eternidade.
E Deus creou o espazo e a materia, e esclareceu as tebras co milagre ollecente da luz.
E con falas secretas fixo xurdir da nada as cousas todas; a Vida, sempre vitoriosa da Morte; e a Morte, decote triunfante da Vida.
E con todas as cousas, entre a Vida e a Morte, sen que ninguén saiba quen é, de onde vén nin para onde vai, xurdiu o Tempo.
Entrou polas portas da existencia como quen entra por unha agra aberta, feito un garelo axexador e entremetido. Non fixo máis que saír do vurullo e emprendeuna a croio limpo coas estrelas; e aínda ben pequerrecho, e en canto Vulcano abriu a súa fragua, encargoulle unha afiada gadaña para se ir facendo cursario na sega, pois desde o berce sentía uns desexos incontidos de seitura.
Xa de mozo íase de ruada polos camiños siderais a cortexar as estreliñas novas e luminosas; pero facíanlle a figa e non lle daban creto, pois inda que o pretendente era aposto e falangueiro, aquel seu ollar feridor e destemido metíalles o medo no corpo, alporizándolles os longos cabelos escintilantes.
A Vida nunca o quixo, ollábao con xenreira; pero canto máis fuxía del, máis se enguedellaba entre as súas longas gadoupas raspiñeiras, máis a carón se achaba da Morte, a súa inimiga xurada. Desbotado de todos, o Tempo víase só. A única muller que o ollaba a xeito, coas súas concas escuradas, e lle sorría cos dentes fanados e amarelados, era a Morte, que camiñaba á súa beira como can de cego, apegada a el coma un lambizo.
Pero o Tempo era teimoso, xa andaba afeito a saír coa súa, e non meteu o rabo na silveira. Aló, nun currunchiño do espazo, a súa ollada espreitadora dexergou a Lúa, noviña e namoradeira, arrecendendo graza do seu brillar refulxente, coma un solciño azoso, pequerrechiño e feito, que se esfiaña en perfebas aloumiñantes de luz.
Vela, decatarse da súa inxenuidade e fermosura, e cobizala, foi todo un:
- A muller e a sardiña, pequeniña - díxose -. E como non hai cousa máis humilde que o amor cando pretende, feito un suíña riseiro e conquistador, dirixiuse a ela en falas solermiñas, tatexou tremente ao declararlle o seu cariño, e os seus ollos torvos, vidrados, afeitos só ás traidoras olladas de esguello, mirárona fite a fite, nun feble sorriso enchouchador e arelante.


"Da Agra Aberta", Victoriano Taibo

(Victoriano Taibo nasceu no dia 22 de Abril de 1885. Morreu em 1966.)

Caminho 96

                                                                                                                Foto Hernâni Von Doellinger

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Quando a ordem dos factores é preponderante

O pai: - Afinal como é que se chama esse teu namorado secreto? Tem nome, ao menos?
A filha: - Tem. Chama-se Mónica.
O pai: - Mónica?
A filha: - Mónica.
O pai: - Mónica, do género José da Silva Mónica?
A filha: - Não. Mónica, tipo Mónica da Silva José.

Fafe celebra a liberdade (25 de Abril 2016)


Comemorações do 42º. aniversário do 25 de Abril em Fafe. A partir de amanhã, sexta-feira 22, até à próxima segunda-feira, dia maior, em que destaco a Homenagem aos Combatentes da Guerra Colonial, pelas 10h30, junto ao monumento, na Avenida do Brasil. Mais informação e programa completo, aqui.

What's up, doc?

                                                                                                                  Foto Hernâni Von Doellinger

Hilda Hilst 4

Araras versáteis

Araras versáteis. Prato de anêmonas.
O efebo passou entre as meninas trêfegas.
O rombudo bastão luzia na mornura das calças e do dia.
Ela abriu as coxas de esmalte, louça e umedecida laca
E vergastou a cona com minúsculo açoite.
O moço ajoelhou-se esfuçando-lhe os meios
E uma língua de agulha, de fogo, de molusco
Empapou-se de mel nos refolhos robustos.
Ela gritava um êxtase de gosmas e de lírios
Quando no instante alguém
Numa manobra ágil de jovem marinheiro
Arrancou do efebo as luzidias calças
Suspendeu-lhe o traseiro e aaaaaiiiii...
E gozaram os três entre os pios dos pássaros
Das araras versáteis e das meninas trêfegas.

Hilda Hilst

(Hilda Hilst nasceu no dia 21 de Abril de 1930. Morreu em 2004.)

Caminho 95

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

quarta-feira, 20 de abril de 2016

A mulher que não acreditava na religião verdadeira

Bateram à porta e a D. Amélia abriu. Pensava que era o carteiro. Eram duas senhoras muito simpáticas com uma revista nas mãos. A revista chamava-se A Sentinela e as duas senhoras muito simpáticas queriam falar, mas a D. Amélia não as queria ouvir. Que não tinha vagar para revistas nem para jornais, que fizessem o favor de ir andando, que ela tinha mais que fazer. As pessoas com 84 anos e sós são mesmo assim, estão sempre muito ocupadas. As duas senhoras muito simpáticas, e pacientes, insistiam de pé na porta e revista em riste, falavam do mundo, da Bíblia, de profecias, do Reino de Deus, de Jesus Cristo, de religião, e aqui, alto e pára o baile, a D. Amélia arrebitou as orelhas e perguntou: - Ai vocês são da religião?...
- Somos Testemunhas de Jeová - responderam as duas senhoras muito simpáticas e pacientes.
- Olha, ainda por cima jeovás! Rua, andor daqui para fora! - mandou a D. Amélia, sacando do toco de vassoura, mais rápida que a própria sombra. - Eu não acredito nessas lérias. Eu não acredito na religião católica, que é a verdadeira, e ia agora... Xô, xô, xô, já disse!

A ver navios 73

                                                                                      Foto Hernâni Von Doellinger

Rosa Lobato de Faria 4

Se eu morrer de manhã

Se eu morrer de manhã
abre a janela devagar
e olha com rigor o dia que não tenho.


Não me lamentes. Eu não me entristeço:
ter tido a morte é mais do que mereço
se nem conheço a noite de que venho.


Deixa entrar pela casa um pouco de ar
e um pedaço de céu
- o único que sei.


Talvez um pássaro me estenda a asa
que não saber voar
foi sempre a minha lei.


Não busques o meu hálito no espelho.
Não chames o meu nome que eu não venho
e do mistério nada te direi.


Diz que não estou se alguém bater à porta.
Deixa que eu faça o meu papel de morta
pois não estar é da morte quanto sei.


"Poemas Escolhidos e Dispersos", Rosa Lobato de Faria

(Rosa Lobato de Faria nasceu no dia 20 de Abril de 1932. Morreu em 2010.)

Lugares-(in)comuns 159

                                                                                                               Foto Hernâni Von Doellinger

Augusto dos Anjos 3

A idéia

De onde ela vem?! De que matéria bruta
Vem essa luz que sobre as nebulosas
Cai de incógnitas criptas misteriosas
Como as estalactites duma gruta?!

Vem da psicogenética e alta luta
Do feixe de moléculas nervosas,
Que, em desintegrações maravilhosas,
Delibera e, depois, quer e executa!

Vem do encéfalo absconso que a constringe,
Chega em seguida às cordas do laringe,
Tísica, tênue, mínima, raquítica...

Quebra a força centrípeta que a amarra,
Mas, de repente, e quase morta, esbarra
No molambo da língua paralítica!


"Eu e Outras Poesias", Augusto dos Anjos

(Augusto dos Anjos nasceu no dia 20 de Abril de 1884. Morreu em 1914.)

Caminho 94

                                                                                                               Foto Hernâni Von Doellinger

terça-feira, 19 de abril de 2016

Era um homem muito antigo 2

Era um homem muito antigo e vivia agarrado a coisas que já não se usam. Vejam lá que tinha o telemóvel para fazer e receber chamadas!...

Feira Medieval da Senhora da Hora 2016


Quarta edição da Feira Medieval da Senhora da Hora. De 22 a 25 de Abril (sexta a segunda-feira), na Fonte das Sete Bicas. Assim será, se o cartaz estiver certo, e foi o máximo que consegui saber...

Matosinhos, 25 de Abril, 42 anos

Festa com exposições, desporto, fogo-de-artifício, evidentemente medalhas e hasteamento de bandeiras, inaugurações e música. Janita Salomé canta no Salão Nobre da Câmara, na noite de 24 de Abril, a partir das 22h30, com entrada gratuita, e se eu fosse a alguma coisa, era ao que ia. No dia anterior, ponto alto e único, a "Inauguração da Broadway", apresentada como "via de ligação da Marginal de Matosinhos à Circunvalação", e que eu, que moro exactamente aqui em Manhattan, ainda não percebi. Mais informações, aqui.

As minhas frases favoritas

Eu, por mim, estou como o outro...

A ver navios 72

                                                                                                                 Foto Hernâni Von Doellinger

Manuel Bandeira 4

Andorinha

Andorinha lá fora está dizendo:
- "Passei o dia à toa, à toa!"


Andorinha, andorinha, minha cantiga é mais triste!
Passei a vida à toa, à toa...


"Libertinagem", Manuel Bandeira

(Manuel Bandeira nasceu no dia 19 de Abril de 1886. Morreu em 1968.)

Lugares-comuns 333

                                                                                      Foto Hernâni Von Doellinger

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Era um homem muito antigo

Era um homem muito antigo e vivia agarrado a coisas que já não se usam. Vejam lá que ainda tirava fotografias com máquina fotográfica!...

Caminho 93

                                                                                                                Foto Hernâni Von Doellinger