domingo, 20 de março de 2016

Mansueto Bernardi

Mors-amor

Quisera ser o teu caixão, rainha!
Abrir-me, receber-te e, após, fechado,
Guardar numa eça, a glória, linha a linha,
Do teu divino corpo amortalhado.

E em meio à pompa do ritual sagrado,
Eu, tronco vil de condição mesquinha,
Contigo celebrar o meu noivado...
Saber-te minha, inteiramente minha!

Sentir-te! Amar-te sempre! E, face a face,
Que o nosso estranho amor, fria consorte,
Onde tudo termina, principiasse!

E, ó volúpia sem fim! No último abrigo,
Na quieta alcova conjugal da morte,
A pouco e pouco me fundir contigo!

Mansueto Bernardi 

(Mansueto Bernardi nasceu no dia 20 de Março de 1888. Morreu em 1966.)

Sem comentários:

Publicar um comentário