quinta-feira, 24 de março de 2016

Gonzalo López Abente 2


No balcón do infindo

Se me poño ao balcón do infindo espazo
e ouzo o duro rumor do alto silenzo,
sinto no corazón tal baticazo
que o pánico mortal xa non o venzo.

Medos a tremelar polo baldeiro
vestidos de negror ¡tétrica estampa!
na espera do Xuez, do verdadeiro,
que obrigue a se enterraren baixo a campa.

Choerei o balcón do espazo infindo
e buscarei descanso no meu leito...
¡Que desexo de cote estar dormindo
co corazón tranquilo no meu peito! 

Gonzalo López Abente 

(Gonzalo López Abente nasceu no dia 24 de Março de 1878. Morreu em 1963.)

Sem comentários:

Enviar um comentário