sábado, 1 de agosto de 2015

António Maria Lisboa 3

Conjugação

A construção dos poemas é uma vela aberta ao meio e coberta de bolor
é a suspensão momentânea dum arrepio num dente fino
Como Uma Agulha


A construção dos poemas
 

A CONS
TRU
ÇÃO DOS
POEMAS


é como matar muitas pulgas com unhas de oiro azul
é como amar formigas brancas obsessivamente junto ao peito
olhar uma paisagem em frente e ver um abismo
ver o abismo e sentir uma pedrada nas costas
sentir a pedrada e imaginar-se sem pensar de repente


NUM TÚMULO EXAUSTIVO.

"Ossóptico e Outros Poemas", António Maria Lisboa

(António Maria Lisboa nasceu no dia 1 de Agosto de 1928. Morreu em 1953.)

Sem comentários:

Publicar um comentário