quarta-feira, 13 de maio de 2015

Raimundo Correia 2

Amor e vida

Esconde-me a alma, no íntimo, oprimida,
Este amor infeliz, como se fora
Um crime aos olhos dessa, que ela adora,
Dessa que, crendo-o, crera-se ofendida.


A crua e rija lâmina homicida
Do seu desdém vara-me o peito; embora,
Que o amor que cresce nele, e nele mora,
Só findará quando findar-me a vida!


Ó meu amor! como num mar profundo,
Achaste em mim teu álgido, teu fundo,
Teu derradeiro, teu feral abrigo!


E qual do rei de Tule a taça de ouro,
Ó meu sacro, ó meu único tesouro!
Ó meu amor! tu morrerás comigo!


"Sinfonias", Raimundo Correia

(Raimundo Correia nasceu no dia 13 de Maio de 1859. Morreu em 1911.)

Sem comentários:

Publicar um comentário