quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Adonias Filho

Paulino Duarte sabia, desde que Miguel Duarte morrera, ele sabia que, bem no abismo da sua alma, havia um grande medo inexplicável. Uma coisa inexprimível, irreversível, estagnante, que o fazia ouvir vozes, particularmente aquela voz vazia que pronunciava o nome de Lica. Era como alguém que endoidecia, vagando pela casa fechada, trêmulo, escutando alarido do vento nas palmeiras do quintal. Os ratos corriam na despensa, calafetava os buracos das paredes com canhamaço. As vozes, porém, continuavam, fracas como um bocejo. Pálido, da sala, só encontrava sossego quando abria a porta e chamava os cães aos berros. Entre eles, as pulgas mordendo, sentia-se calmo e adormecia. No entanto, na noite seguinte o mesmo martírio, a mesma tortura. Algumas vezes, no reflexo da luz, distinguia o rosto do pai bêbado, a barba falhada de Juca Pinheiro. Foi em uma dessas noites, pouco tempo após a morte de Miguel Duarte, que ouviu, dentre o ruído da chuva, fortes pancadas na porta da cozinha. Acorreu, empunhando o facão, e abriu a porta com um grito: "Quem está batendo aí?" E, encontrando um homem, quase despido, inteiramente molhado, perguntou: "A quem você procura?" O homem respondeu: "Miguel Duarte." Deteve-se, o coração aos saltos, e respondeu: "Miguel Duarte! Miguel Duarte morreu!" O homem apertou as mãos, uma na outra, como se estivesse com frio, e disse: "Eu preciso falar com Miguel Duarte, a minha conversa é sobre Ubaldo, que está morto e bem morto." Paulino Duarte recuou, exaltado: "E foi você quem matou Ubaldo? Ubaldo... Mas, quem é você? Que tem a ver meu pai com esse Ubaldo?" O homem fitou-o de relance, respondendo: "Lica, sabe. Faze anos, muitos anos... Ah! O meu nome? Emílio, sim senhor, Emílio." Entrou na cozinha, os olhos nas panelas, dando a entender que estava faminto.

"Os Servos da Morte", Adonias Filho

(Adonias Filho nasceu no dia 27 de Novembro de 1915. Morreu em 1990.)

Sem comentários:

Publicar um comentário