sábado, 13 de setembro de 2014

Natália Correia 2

Já as primeiras cousas são chegadas/I

Tanta foice isto é coice desconfio...
Tanto de marx martelar já cansa.
Adrede é labirinto não me fio
no fio que o comício ao coro lança.

De tanto ruminar tanto Rossio
numa canga aguilhando tanta esperança.
Tanto poder ao povo com feitio
de espezinhá-lo depois da governança.

Tanta denúncia. É a pedagogia
da Revolução que o excremento avia
e não chegámos ao último terceto.

Recém-nascida apenas deste em cabra
Ó Liberdade! Não sei como isto acaba,
não sei como acabar este soneto.

"Epístola aos Iamitas", Natália Correia

(Natália Correia nasceu no dia 13 de Setembro de 1923. Morreu em 1993.)

Sem comentários:

Publicar um comentário