quinta-feira, 14 de junho de 2012

Palavras para quê? É um artista português


Esqueçamos, por momentos, Cristiano Ronaldo. E Miguel Relvas. Puxemos à memória aquele célebre anúncio da televisão a preto e branco com um homem (africano do Império, por sinal) a abocanhar uma cadeira e a fazê-la andar à roda acima da cabeça. Aquilo é que eram dentes fortes, gengivas sãs, boca saudável. E tudo porquê? Porque o artista era um artista português e usava Pasta Medicinal Couto.
Eu, que sou dos tempos áureos do Restaurador Olex, também usei a Couto durante mais de um quarto de século, julgo que inicialmente "receitada" pelo Quinzinho da Farmácia, o "médico" dos pobres de Fafe, o melhor médico de família que Deus ao mundo botou, ainda os médicos de família não tinham sido inventados. Aquela coisa de ser "Medicinal" no nome do meio também me convencia, tenho que confessar. E só a larguei após sucessivas tentativas falhadas para fazer sequer mexer uma cadeira com os dentes e depois de ir ao dentista pela primeira vez na vida, aos 45 anos.
A fórmula da Pasta Medicinal Couto foi registada a 13 de Junho de 1932, fez ontem exactamente 80 anos. Prometia não só lavar os dentes, mas também protegê-los dos malefícios da sífilis e evitar as infecções das gengivas. Em 2001, por imposição das normas comunitárias relativas a este tipo de produtos, a marca foi obrigada a deixar cair a tão sedutora quanto conveniente designação de "Medicinal", passando a chamar-se simplesmente Pasta Dentífrica Couto. Até hoje.
Mas agora há novidades. O principal accionista da empresa Couto, em Vila Nova de Gaia, aproveitou o aniversário para revelar que tem dois pretendentes à compra da marca. Um da área da cosmética e outro do sector farmacêutico, ambos com intenções de "aumentar mais as vendas". O negócio deve ser fechado até 2017. São boas notícias. E hoje em dia as cadeiras também são muito mais leves.

Sem comentários:

Publicar um comentário